🌳Xilofobia: Causas, Sintomas E Tratamentos

Xilofobia - Causas, Sintomas e Tratamentos possiveis

Compreendendo a Xilofobia

Pessoas que sofrem de medo de objetos de madeira ou de florestas: Na maioria das vezes evitam propositadamente entrar em contacto com aquilo que as leva a sentir medo ou ansiedade em primeiro lugar. Isto pode parecer uma boa solução rápida, mas a verdade é, se não se compreender completamente o que se está a experimentar pode começar a magoar ou limitar a sua vida a longo prazo.

Às vezes, as pessoas que sofrem de Xilofobia, que é uma fobia específica, tentam evitar não só os objetos exatos (neste caso, objetos de madeira ou florestas) ou situações que a desencadeiam, mas por vezes, em casos graves, o pensamento dessas coisas todas juntas.



O que é Xilofobia?

A Xilofobia, também conhecida como hilofobia, é o medo irracional das áreas arborizadas. Algumas pessoas descobrem que o seu medo é pior à noite, enquanto outras têm o mesmo medo a qualquer hora do dia. A xenofobia está por vezes ligada a outras fobias, tais como os medos dos animais, mas também pode ocorrer sozinha.

A origem da palavras xylon (que significa madeira) e a phobos (que significa medo) são gregas. A xenofobia está também relacionada com a Dendrofobia (medo das árvores) e Nictohilofobia (medo das áreas arborizadas escuras ou das florestas durante a noite).


Medos Racionais

Algumas pessoas não têm medo dos bosques, mas sim de entrar neles devido a perigos reais ou percebidos. Por exemplo, pessoas com determinadas condições médicas podem recear não conseguir contactar um socorrista se ficarem doentes ou feridos ao caminharem sozinhos. Aqueles que se sentem vulneráveis, como algumas mulheres e crianças, podem preocupar-se em ser atacados por um humano. Aqueles que vivem em zonas conhecidas por ataques de ursos ou outros animais podem estar preocupados em entrar em contacto com um animal perigoso. Por definição, uma fobia é um medo irracional. Se o seu medo se fundamenta em preocupações realistas, não é uma fobia.


Fobias de animais

Embora seja normal estar preocupado com ataques de animais em algumas áreas, as pessoas com fobias animais têm normalmente um nível elevado de medo que é desproporcionado em relação à situação. Além disso, algumas pessoas temem criaturas das florestas que representam pouco perigo para os seres humanos, como cobras ou aranhas. As fobias dos animais aumentam frequentemente o medo dos bosques e, em alguns casos, são na realidade a razão da xilofobia.

 


Medo da Escuridão

Alguns casos de xilofobia têm as suas raízes no medo do escuro. As áreas fortemente arborizadas são relativamente escuras durante todo o dia, com árvores altas a lançarem sombras em caminhos e clareiras. Tal como as fobias dos animais, o medo do escuro pode agravar um medo existente nos bosques ou mesmo ser a principal causa desse medo.


Medo do Desconhecido

Para algumas pessoas, o medo do bosque baseia-se no medo do desconhecido. A sociedade moderna oferece poucas oportunidades de regressar à natureza, pelo que as pessoas que sempre viveram em áreas urbanas podem não estar bem aclimatadas a estar em grandes áreas arborizadas. Imagens, sons, cheiros e texturas invulgares tendem a desequilibrar-nos, fazendo-nos sentir desconfiados. As áreas arborizadas podem ser barulhentas com ruídos de animais ou estranhamente silenciosas. As plantas selvagens têm frequentemente um aspeto muito diferente das plantas domésticas. Mesmo caminhar pela relva, lama ou terra é muito diferente de caminhar numa estrada, ou calçada. Aqueles que têm medo do desconhecido podem correr um risco acrescido de desenvolver ansiedade ao explorar a floresta.

 


Causas da Xilofobia

É geralmente aceite que as fobias resultam de uma combinação de eventos externos (isto é, eventos traumáticos) e predisposições internas (isto é, hereditariedade ou genética). Muitas fobias específicas podem ser rastreadas até um evento desencadeante específico, geralmente uma experiência traumática em idade precoce. As fobias sociais e a agorafobia têm causas mais complexas que não são inteiramente conhecidas neste momento. Acredita-se que a hereditariedade, genética e química cerebral combinam com a experiência de vida para desempenhar um papel importante no desenvolvimento das fobias.

Muitas vezes não há uma única razão para que uma pessoa desenvolva a fobia, mas geralmente é a combinação de vários fatores.

Então, vamos citar o mais comum, mas é necessário ter em conta que apenas um destes fatores não terá sido a causa exclusiva do seu aparecimento.

Experiências traumáticas

No desenvolvimento de fobias específicas, surge quase sempre um acontecimento traumático que deixou uma marca na pessoa devido à sua gravidade ou que, sem ser especialmente grave, não foi resolvido corretamente na altura.

São geralmente experiências que aconteceram durante a infância e adolescência, e embora no início a pessoa possa não se lembrar delas ou não lhes dar importância, é normalmente a partir desse momento que o medo se desenvolve.

Neste caso podem ser acontecimentos como perder-se numa floresta, ter uma má experiência num local muito povoado de árvores ou sofrer uma agressão, ou ferimento com um utensílio de madeira.

Depois de ter sofrido essa experiência, o nosso cérebro associa os objetos que são do mesmo material com essa experiência traumática produzindo o mesmo desconforto que na altura desse primeiro evento. Por exemplo, uma pessoa que esteve perdida na floresta durante horas, ao regressar a um local semelhante, pode experimentar a mesma angústia e medo que sentia naquele momento.

Estas experiências podem também causar o desenvolvimento indireto da fobia, ou seja, se a pessoa a vê ou a informa de como outra pessoa sofreu um acontecimento desagradável relacionado com o objeto do medo.

Aprendida

Muitas vezes, as fobias desenvolvem-se porque a criança aprende a temer os objetos ou situações que os seus pais, ou pessoas de referência temem. É provável que se uma criança vê como a sua mãe evita ir para uma floresta ou lugares onde está rodeada por árvores e também verbaliza o medo que tem esses lugares, desenvolva essa mesma resposta de medo.

 


Sintomas da Xilofobia

Sintomas Físicos

Os objetos de madeira ou as florestas que sofrem, muitas vezes sofrem ataques de pânico. Estes ataques de pânico podem ser extremamente assustadores e angustiantes para a pessoa que os sofre. Estes sintomas acontecem na maioria das vezes de forma repentina e sem qualquer sinal ou aviso prévio. Por mais avassaladores que sejam os sentimentos de ansiedade, um ataque de pânico pode causar sintomas físicos reais, tais como, mas não limitados aos que se encontram abaixo:

  • suor
  • tremores
  • calafrios ou calafrios
  • falta de ar ou dificuldade em respirar
  • uma sensação de asfixia
  • batimento cardíaco rápido (taquicardia)
  • dor ou aperto no peito
  • uma sensação de borboletas no estômago
  • náusea
  • dores de cabeça e tonturas
  • sensação de desmaio
  • dormência ou pinos e agulhas
  • boca seca
  • zumbido nos seus ouvidos
  • confusão ou desorientação
  • hiperventilação
  • aperto no peito/dores no peito e dificuldade em respirar
  • aumento da pressão sanguínea

Sintomas Psicológicos

Em alguns casos muito graves, uma pessoa que sofre um ataque de pânico provocado pela Xilofobia. Normalmente quando exposta aos seus desencadeadores, tais como objetos de madeira ou florestas.

Pode ter um/ou todos os seguintes sintomas:

  • medo de perder o controlo
  • medo de desmaiar
  • sentimentos de pavor
  • medo de morrer
  • medo de danos ou doenças
  • culpa, vergonha, auto culpa
  • Sentir-se triste ou sem esperança
  • Sentir-se desconectado
  • Confusão, dificuldade de concentração
  • Raiva, irritabilidade, alterações de humor
    ansiedade e medo

Em alguns casos muito especiais, pode haver pessoas com fobias entrelaçadas. Ou o que pode ser chamado de fobias complexas. Estas podem muitas vezes ter um efeito prejudicial na vida quotidiana e no bem-estar mental de uma pessoa. Porque podem limitar de tal forma a vida de algumas pessoas que se tornam incapazes de levar uma vida pessoal e social normal. Daí desencadear uma reação em cadeia dos sintomas acima mencionados e, por último, uma depressão.

Os sintomas são geralmente automáticos e incontroláveis e podem parecer assumir o pensamento de uma pessoa, o que frequentemente leva à tomada de medidas extremas para evitar o objeto ou situação temidos, os chamados comportamentos de “Segurança” ou de “Evitar”.

Infelizmente, para quem sofre, estes comportamentos de segurança têm um efeito paradoxal e reforçam a fobia, em vez de a resolverem.

A xilofobia pode ser o resultado de experiências emocionais negativas que podem estar direta ou indiretamente ligadas ao objeto, ou ao medo situacional. Com o tempo, os sintomas tornam-se frequentemente “normalizados” e “aceites” como crenças limitadoras na vida dessa pessoa – “Aprendi a viver com isso”.

Em tantos casos, a xenofobia pode ter-se agravado com o tempo, à medida que se vão desenvolvendo comportamentos e rotinas de segurança cada vez mais sofisticados. A boa notícia é que a grande maioria das pessoas que sofrem de Xilofobia vai encontrar um curso de Terapia Psicológica que pode ajudar bastante.

 


Tratamentos para a Xilofobia

Terapia

Muitos profissionais acreditam que as causas mais importantes das fobias são os estímulos ambientais e os comportamentos aprendidos. Eles argumentam que uma fobia é, em última análise, uma resposta aprendida a um estímulo. Ao “desaprender” a resposta e substituir as reações racionais, a fobia pode ser curada. Este modelo favorece a terapia como um tratamento preferencial.

Muitas pessoas que vivem com fobias são melhor tratadas com uma combinação de medicação e terapia, que pode incluir terapia cognitiva comportamental (TCC), terapia de exposição, terapia individual, e terapia de grupo.

Tratamentos Comunicativos para a Xilofobia

Tratamentos falados ou terapias faladas, que incluem aconselhamento, podem ser muito eficazes no tratamento do medo de objectos de madeira ou de florestas, ou da Xilofobia. As terapias falantes são tratamentos muito descontraídos e fisicamente não intrusivos que envolvem falar com um profissional altamente treinado e proficiente sobre os seus pensamentos, sentimentos e comportamento.

Existem muitos tipos diferentes de terapias falantes, mas todas elas têm como objetivo:

  • ajudá-lo a reconhecer padrões inúteis na forma como pensa ou age, e encontrar formas de os mudar (se quiser).
  • ajudá-lo a resolver sentimentos complicados, ou a encontrar formas de viver com eles
  • ajudá-lo a dar sentido aos seus sentimentos e a compreender-se melhor
  • dar-lhe um tempo e um lugar seguro para falar com alguém que não o julgue

As terapias falantes são, na maioria dos casos, o mesmo que aconselhamento, terapia, psicoterapia, terapia psicológica, tratamento falante. Há normalmente uma diferença muito pequena entre o que se pretende dizer quando se fala de qualquer uma destas.

Terapia Cognitiva Comportamental

A terapia cognitiva comportamental (TCC) é frequentemente a primeira linha de tratamento das fobias. Pode ajudá-lo a ultrapassar os pensamentos automáticos negativos que levam a uma reação comportamental fóbica, ensinando-o a mudar gradualmente a sua forma de pensar e a ultrapassar o seu medo.

Por exemplo, quando alguém sente a Xilofobia. Através da ajuda da terapia cognitiva comportamental, poderá identificar se o medo e a ansiedade experimentados a partir de objetos de madeira ou florestas é uma representação exata da realidade. E se não estiver a trabalhar em formas de mudar isso.

Terapia de Exposição

Como o nome indica, a terapia de exposição expõe gradualmente as situações que teme com o objetivo de dessensibilizar e reduzir a ansiedade. A terapia de exposição é frequentemente parte de um programa de tratamento cognitivo comportamental, mas também pode ser incorporada na sua vida diária.

Antes do processo de exposição começar, as pessoas aprendem primeiro técnicas de relaxamento para se manterem calmas quando enfrentam os seus medos, incluindo respiração profunda, relaxamento muscular progressivo, visualização e imagens guiadas. O passo seguinte é praticar a utilização destas estratégias de relaxamento de forma gradual e progressiva face ao objeto ou situação temida.

Por exemplo, se tiver fobia de falar em público, o seu terapeuta pode ajudá-lo a enfrentar gradualmente cenários difíceis de falar em público para superar os seus medos, talvez começando com a leitura de uma passagem em voz alta para um amigo e terminando com uma apresentação pública.

Medicação

A medicação nunca deve ser tomada sem primeiro pedir a um médico. Em geral, a medicação não é recomendada para ultrapassar as fobias. As terapias têm resultado ser uma forma definitiva de superar os medos. No entanto, alguns tipos de medicamentos são prescritos como soluções a curto prazo para os efeitos secundários das fobias. Que incluem ansiedade ou depressão.

Existem três tipos gerais de medicamentos recomendados para o tratamento de ansiedades:

  • antidepressivos
  • tranquilizantes
  • beta-bloqueadores

Auto ajuda com a Xilofobia

Uma das melhores formas de superar qualquer dificuldade ou estar preparado, se alguma surgir na vida, é cuidar bem de si mesmo. Ser capaz de saber como se ajudar a si próprio é vital não só para ser capaz de controlar o seu medo de objetos de madeira ou florestas, mas também de outras fobias e ansiedades antes que estas se tornem mais graves.

Tratamentos Alternativos

Cada vez mais, os profissionais da saúde mental e os pacientes recorrem a tratamentos alternativos para aumentar os meios tradicionais de tratamento das fobias, mas estas opções não são consideradas tratamentos de primeira linha e muitas vezes vêm com o seu próprio conjunto de efeitos secundários.

Algumas terapias alternativas incluem:

  • Hipnoterapia, que varia de técnicas de relaxamento guiado a regressão, em que o terapeuta o ajuda a enfrentar a memória que originalmente desencadeou a fobia.
  • A homeopatia, que utiliza quantidades ínfimas de substâncias tóxicas para tratar doenças, não é amplamente aceite na comunidade médica
  • Remédios fitoterápicos, incluindo ginseng, camomila e raiz de valeriana, entre outros…

Embora estes tratamentos não tenham sido submetidos aos testes rigorosos e controlados necessários para serem endossados pela comunidade médica dominante, muitas pessoas encontram alívio dos sintomas através de canais alternativos. Evidentemente, qualquer tratamento alternativo só deve ser realizado com a orientação de um profissional de saúde mental.

 


Como lidar com a Xilofobia

Felizmente, não é necessário identificar as questões subjacentes para combater o medo dos bosques. Para um medo relativamente moderado, o conhecimento e a exposição podem ser suficientes para combater a ansiedade.

  • Investigue a área em que vai caminhar ou acampar com bastante antecedência.
  • Aprenda a reconhecer plantas e animais comuns, trace uma rota e carregue um bom mapa. Há também muitas unidades GPS fiáveis para caminhadas que estão disponíveis por menos de 100 euros.
  • Faça um plano de emergência e informe sempre alguém para onde vai e quando vai regressar.
  • Pense em procurar ajuda profissional com uma fobia mais grave.

Como todas as fobias, a xilofobia responde bem a uma variedade de métodos de tratamento. Sem tratamento, no entanto, o medo pode piorar com o tempo, e até levar a fobias adicionais.


 

Referências

  1. Barlow, D.H. (2002). Anxiety and its disorders . New York.
  2. Barlow, D.H., Craske, M.G. (1989). Mastery of your anxiety and panic . New York.
  3. Fritscher, L. (2016). What is the Fear of the Woods?
  4. Hansen MM, Jones R, Tocchini K. Shinrin-yoku (forest bathing) and nature therapy: a state-of-the-art review. Int J Environ Res Public Health (2017)
Margarida Reis
Latest posts by Margarida Reis (see all)
Written By
More from Margarida Reis

Trabalho Remoto: As Apps / Softwares Mais Usados!

Os melhores softwares trabalho Remoto: Para Empresas e Empregados Equipas remotas, compostas...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *