Tripofobia: Causas, Sintomas e Tratamentos

Aprenda tudo sobre Tripofobia

Tudo Sobre a Tripofobia

A tripofobia é uma aversão ou medo de aglomerados de pequenos buracos, solavancos, ou padrões. Quando as pessoas veem este tipo de aglomerados, experimentam sintomas de repugnância ou medo. Exemplos de objetos que podem desencadear uma resposta de medo incluem vagens de sementes ou uma imagem de perto dos poros de alguém.



O que é tripofobia?

O nome para este problema vem das palavras gregas “trypta“, que significa buraco, e “phobos“, que significa medo. Mas o termo não remonta à Grécia antiga. “trypophobia” terá aparecido pela primeira vez num fórum web em 2006.

A tripofobia é frequentemente descrita como “o medo de buracos”, mas é importante notar que pode também aplicar-se a colisões ou outros padrões que estão intimamente agrupados. Quando as pessoas veem objetos desencadeadores, sentem sintomas como medo severo, náuseas, comichão, suor, tremores, e até ataques de pânico.

O medo é um sintoma comum, mas o desgosto é muitas vezes descrito como a emoção avassaladora que as pessoas sentem com esta fobia. A tripofobia também tende a ser altamente visual.3 Ver imagens online ou impressas é suficiente para desencadear sentimentos de repulsa ou ansiedade.

 


O que desencadeia os sintomas de Tripofobia?

Alguns sintomas da tripofobia são desencadeados pela visão de itens inofensivos e diários, como, por exemplo:

  • Esponjas
  • Bolhas de sabão
  • Queijo suíço
  • favos de mel
  • Folículos capilares
  • Poros de pele
  • Chuveiros
  • Morangos
  • Romãs

Outros respondem apenas a imagens mais exóticas ou invulgares, como por exemplo:

  • Recifes de coral
  • Vagens de sementes de lótus
  • Sapo Pipa pipa dar à luz
  • Fotografias fotografadas, tais como filas de buracos ou dentes embutidos num braço, ombro ou rosto.

Causas

Os investigadores têm algumas ideias sobre o que causa a tripofobia:

A reacção poderosa pode ser uma forma de se proteger do perigo. Alguns dos animais mais venenosos do planeta – como a cobra-real, o peixe bufo e o sapo dardo venenoso – têm padrões semelhantes a buracos na sua pele. Esses padrões são como os que incomodam as pessoas que têm tripofobia.

Também é possível que as próprias imagens desencadeiem o medo. Algumas pessoas podem ser mais sensíveis à mistura de luz e escuridão em imagens de buracos. Os investigadores dizem que os padrões semelhantes a buracos têm um tipo de energia visual que pode causar uma reacção desagradável.

Outros investigadores acreditam que o medo vem da ansiedade social. Os círculos parecem-se um pouco com grupos de olhos ou rostos a olhar para si, o que pode ser perturbador se ficar nervoso em ambientes sociais


Factores de risco

Não se sabe muito sobre os fatores de risco ligados à trypophobia. Um estudo de 2017 encontrou uma possível ligação entre a tripofobia e a Transtorno depressivo maior e a transtorno de ansiedade generalizada (TAG). De acordo com os investigadores, as pessoas com tripfobia tinham mais probabilidades de sofrer também de distúrbio depressivo grave ou DAG. Outro estudo publicado em 2016 também observou uma ligação entre a ansiedade social e a tripofobia.


Sintomas

Os sintomas desta condição são semelhantes aos de outras fobias específicas.

Depois de ver aglomerados de pequenos buracos ou solavancos, seja em pessoa ou numa imagem, as pessoas experimentam frequentemente:

  • angústia emocional
  • Medo e ansiedade
  • Sentimentos de repulsa
  • Comichão
  • Náusea
  • Ataques de pânico
  • Respiração rápida
  • Agitação
  • Transpiração
  • Vómito

A tripofobia pode levar a sintomas relacionados com medo, repugnância, ou ambos, embora a investigação sugira que as pessoas referem sentir mais repugnância do que medo.

Para além de sentirem sintomas como o medo e a repugnância, as pessoas com tripofobia também irão frequentemente sentir mudanças comportamentais. É comum evitar os objetos desencadeadores. Por exemplo, uma pessoa pode evitar comer certos alimentos (como morangos ou chocolate aerado) ou evitar ir a certos lugares (como uma sala com papel de parede pontilhado).


Tratamentos

Embora não haja tratamento específico para a tripofobia, há alguns tratamentos disponíveis para as fobias em geral com taxas de sucesso variadas. Os tratamentos podem consistir em tratamentos de auto-ajuda, terapia, e medicamentos.
Tratamentos de auto-ajuda e remédios caseiros

A TCC ou a terapia de exposição são potenciais opções de tratamento para a tripofobia.As pessoas podem realizar tratamentos de auto-ajuda por si próprias ou com a ajuda de um terapeuta ou de um conselheiro. Estas estratégias podem ou não ser eficazes no tratamento de fobias individuais e têm taxas de sucesso variadas.

Algumas estratégias de auto-ajuda incluem o seguinte:

Modificações no estilo de vida: Estas incluem exercício, alimentação saudável, boa higiene de sono, e evitar a cafeína e outros estimulantes.

Terapia cognitivo comportamental (TCC)

Esta é uma terapia de conversa, que é feita com um terapeuta ou conselheiro para explorar como os pensamentos causam sentimentos e comportamentos. Os terapeutas trabalham com os clientes, encorajando-os a estabelecer e a atingir objectivos. A terapia cognitivo comportamental implica trabalhar com um terapeuta para mudar os pensamentos e comportamentos subjacentes que possam contribuir para a tripofobia. Isto pode envolver a discussão de pensamentos irrealistas, substituindo-os por pensamentos mais realistas, e depois fazer mudanças nos comportamentos.

Uma das razões pelas quais as pessoas sentem sintomas de fobia é porque muitas vezes acreditam que existe algo inerentemente perigoso ou ameaçador sobre o objeto do medo. Isto leva a pensamentos automáticos negativos assim que encontram a fonte do seu medo.

Através da TCC, as pessoas trabalham para substituir as suas crenças frequentemente irracionais e pensamentos negativos por outros mais positivos e realistas.

Grupo de auto-ajuda

Muitas pessoas consideram a terapia de grupo muito útil.

Terapia de exposição (dessensibilização)

Este é um método de tratamento em que um terapeuta expõe uma pessoa à sua fobia em pequenas doses. Este tratamento envolve a exposição progressiva de uma pessoa ao seu objeto de medo. A esperança é que, com o tempo, esta exposição faça com que os sintomas de medo diminuam. Este processo é geralmente feito de forma muito gradual. Uma pessoa pode começar por imaginar o que teme, depois olhar para imagens do objeto de medo, e depois finalmente estar perto ou mesmo tocar na fonte da sua ansiedade.

No caso da tripofobia, uma pessoa com sintomas pode começar simplesmente por fechar os olhos e imaginar algo como um favo de mel ou uma vagem de sementes. Continuarão a trabalhar nesta atividade até os sintomas começarem a regredir. Uma vez que seja capaz de imaginar o objecto sem resposta, avançará para o passo seguinte, que muitas vezes implica olhar para uma imagem de um objeto que normalmente desencadeia sintomas.

Técnicas de relaxação

Diferentes estratégias de relaxamento também podem ser úteis para reduzir os sentimentos de repugnância, medo ou ansiedade. Visualização, respiração profunda, e relaxamento muscular progressivo são algumas estratégias que podem ser úteis. A visualização envolve a visualização de imagens ou situações calmantes. Uma pessoa pode tentar visualizar um belo pôr-do-sol ou um campo de flores sempre que encontrar algo coberto de pequenos buracos. Uma simples distração pode também ser uma técnica útil de coping. Se vir algo que desencadeia uma resposta fóbica, pode simplesmente desviar o olhar e encontrar outra coisa em que pensar ou olhar até que os seus sintomas se atenuem.

Medicamentos

Por vezes, os médicos prescrevem certos medicamentos para tratar fobias ou os efeitos secundários das fobias, tais como a ansiedade. Os medicamentos incluem:

  • antidepressivos
  • tranquilizantes
  • beta-bloqueadores

Evitar Parasitas e Doenças Infecciosas

Segundo os investigadores, uma explicação plausível para a tripofobia é que é uma “resposta preparada evolutivamente” a coisas que se assemelham a parasitas ou doenças infecciosas.

Por exemplo, algumas doenças infecciosas visíveis – como a varicela, a escarlatina, e algumas infeções parasitárias – deixam pequenos cachos de buracos ou inchaços na pele. Uma aversão a estas pode funcionar como um sinal de aviso para se manter afastado dos infetados.
Esta teoria baseia-se no facto de que mesmo indivíduos saudáveis têm uma aversão a imagens de padrões de pele vistos nestas condições. Contudo, apenas pessoas com tripofobia têm a mesma resposta a imagens de aglomerados em objetos inofensivos, tais como vagens ou bolhas de sementes de lótus.

Nesse sentido, a tripofobia poderia ser uma versão exagerada de uma resposta natural a sinais ou sinais de parasitas, ou doenças que gostaríamos de evitar.

Esta teoria é consistente com a ideia de que o sentimento de repugnância pode ser uma resposta adaptativa para nos protegermos das doenças . Explicaria também porque é que o nojo, em vez de medo, é o principal sintoma da tripofobia, e porque é que a comichão cutânea ou rastejamento também pode acontecer.

 


Evitar Animais Perigosos

Outra teoria popular é que a tripofobia está relacionada com uma aversão a animais venenosos ou de outro modo perigosos. O polvo de anéis azuis é um exemplo de uma criatura altamente venenosa que exibe padrões trifofóbicos de círculos azuis.

Muitos outros animais venenosos e venenosos, tais como a medusa da caixa, a cobra taipan interior, e o sapo dardo venenoso, exibem também padrões agrupados.

Portanto, tal como a sensação de repugnância pode proteger-nos de doenças, a triptofobia pode ser uma forma exagerada de aversão normal a animais perigosos.

 


Quem é vulnerável a ter tripofobia?

Em 2015, os psicólogos Arnold Wilkins e Geoff Cole, do Centro de Ciências Cerebral da Universidade de Essex da Inglaterra, conduziram um dos primeiros estudos científicos a descobrir quem é suscetível à trifofobia e porquê. Teorizaram que a tripofobia evoluiu através da evolução por seleção natural.

O seu raciocínio é o seguinte: Uma vez que muitos dos animais mais mortais do mundo, incluindo jacarés e crocodilos, bem como certas cobras venenosas, aranhas e insetos, têm repetidos choques ou buracos de alto contraste na sua pele, os nossos antigos antepassados que estavam enojados ou assustados com esses padrões teriam tido uma maior hipótese de sobrevivência na presença desses perigos. De acordo com este raciocínio, estes indivíduos sobreviveram para se reproduzirem e transmitiram esses traços aos seus descendentes, que continuaram a transmiti-los, e a aversão continua no património genético até aos dias de hoje.

Um estudo dos investigadores da Universidade de Kent Tom Kupfer e An T.D. Le, publicado na edição de janeiro de 2017 da revista Cognition and Emotion, levou esta ideia um passo em frente. Uma vez que o perigo de animais venenosos existe, mas não é geralmente uma ameaça persistente, propuseram que a tripofobia é mais provavelmente uma resposta exagerada a uma tendência protetora natural para evitar doenças infecciosas da pele, tais como varíola e sarampo, e parasitas, tais como sarna e carraças. (7)

 


O Futuro da Trifobia

Quer seja real ou não, a tripofobia continua a ser um fenómeno intrigante. Para um, mesmo que a tripofobia se torne uma condição clinicamente reconhecida, onde traçamos a linha? Certamente, ter medo ou repugnância de olhar para a imagem de um favo de mel pode contar como um sinal da condição. Mas e as imagens mais intensas?

A maioria das pessoas sentiria algum nível de repugnância ao olhar para um vídeo do sapo Suriname, que dá à luz os seus jovens através de buracos nas costas, mostrando o característico padrão fóbico. Será isto uma resposta normal e natural ou um sinal de tripofobia?

 


Quando se pode considerar a tripofobia um problema

Sentir aversão à visão destas figuras geométricas ou buracos não é uma doença. Consideramo-la um medo normal e frequente nos humanos. Isto porque previne certos perigos, tais como contrair doenças ou sofrer danos. No entanto, este medo irracional pode vir a interferir com o nosso bem-estar ou a nossa vida quotidiana. Poderia impedir-nos de ter uma vida normal.

Neste caso, traduzir-se-ia numa desordem que teria de ser enfrentada. Assim, o medo de buracos de tripofobia poderia ter uma explicação evolutiva. Aqueles que se sentem enojados com estes padrões geométricos mantêm uma distância dos animais perigosos. Isto ajudá-los-ia a sobreviver e a evitar serem “envenenados ou atacados” por estes tipos de animais.

Esta explicação difere das causas de outras fobias, uma vez que aprendemos os medos mais irracionais. Aprendemos a sentir medo em relação a certos estímulos, devido a experiências pessoais ou externas. Por exemplo, pode ser a partir de observações ou do que as pessoas nos disseram. Sendo esse o caso, a origem da doença da reside num trauma que desencadeia a fobia. Também não tem uma origem cultural.

A aversão, o medo, ou a aversão a buracos em matéria orgânica é fácil de explicar. Isto acontece porque as imagens de tripofobia estão frequentemente associadas a doenças.

Quer o seu medo se baseie numa posição irracional ou irrelevante, ultrapasse-o antes de ele se tornar superior a si.


 

Referências

  1. K. Williams Brown (11 de dezembro de 2010). «The improbable horror of clusters». Statesman Journal.
  2. Le, An T. D.; Cole, Geoff G.; Wilkins, Arnold J (30 de janeiro de 2015). «Assessment of trypophobia and an analysis of its visual precipitation».
  3. Gregory Thomas (1 de outubro de 2012). «Phobia about holes is not officially recognized, but U.K. scientists look into it». Washington Post.
  4. Karlla Patrícia (4 de fevereiro de 2014). «Tripofobia: Pessoas que tem medo de buraquinhos». Diário de Biologia
  5. Milosevic, Irena; McCabe, Randi E. (2015). Phobias: The Psychology of Irrational Fear
  6. Abbasi, Jennifer (July 25, 2011). “Is Trypophobia a Real Phobia?”. Popular Science.
  7. McAuliffe, Kathleen (2016). This Is Your Brain on Parasites: How Tiny Creatures Manipulate Our Behavior. Houghton Mifflin Harcourt. p. 154. ISBN 978-0544193222.
Margarida Reis
Latest posts by Margarida Reis (see all)
Written By
More from Margarida Reis

👫 Tudo Sobre Ecomapas

O que é um Ecomapa? Um Ecomapa é um diagrama frequentemente utilizado...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *