ūü¶† Misofobia: Causas, Sintomas e Tratamentos

Tudo Sobre a Misofobia, o medo dos germes

ūü¶† Tudo Sobre Misofobia

Misofobia tamb√©m conhecida como germofobia (ou germafobia) √© um termo utilizado para descrever um medo patol√≥gico de germes, bact√©rias, impureza, contamina√ß√£o e infe√ß√£o. A germofobia, est√° normalmente associada a dist√ļrbio obsessivo-compulsivo (TOC), mas pode estar presente numa grande variedade de pessoas. Os indiv√≠duos com germofobia podem sentir-se obrigados a lavar excessivamente as m√£os e a tomar outras precau√ß√Ķes contra a contamina√ß√£o.



O que é Misofobia?

A misofobia √© o medo irracional de germes e micr√≥bios que podem ser portadores de doen√ßas. A miofobia prov√©m das palavras gregas “myso”, que significa germes e “fobos”, que significa temer ou temer.

As pessoas que sofrem de misofobia t√™m medo de se contaminar e de adoecer devido a germes, quer comendo alguma coisa, quer tocando nas coisas. Isto significa que est√£o obcecadas com a higiene e a limpeza. Mas isto vai para al√©m de se certificar de que as coisas parecem arrumadas e est√£o organizadas. O mundo para um misof√≥bico aparece como um ambiente sujo e imundo que tem doen√ßas invis√≠veis a rastejar por todas as superf√≠cies. Isto significa que as pessoas que sofrem desta fobia podem passar horas obsessivamente a limpar para tentarem criar um ambiente “est√©ril”. Muitas vezes gastam grandes somas de dinheiro apenas em produtos de limpeza.

Também tem medo de adoecer e tem muito medo de quem tossir ou espirrar. Normalmente tornam-se ainda mais obcecados com a limpeza se adoecerem. Estão constantemente a pensar nos germes que os podem contaminar e fazem tudo para o evitar.

 


Causas

Tal como outras fobias, a germofobia come√ßa frequentemente entre a inf√Ęncia e a juventude adulta. Acredita-se que v√°rios fatores contribuem para o desenvolvimento de uma fobia.

Estes incluem:

Experi√™ncias negativas na inf√Ęncia. Muitas pessoas com germofobia podem recordar um evento espec√≠fico ou uma experi√™ncia traum√°tica que levou a medos relacionados com germes.
Hist√≥ria familiar. As fobias podem ter uma liga√ß√£o gen√©tica. Ter um familiar pr√≥ximo com uma fobia ou outro dist√ļrbio de ansiedade pode aumentar o seu risco. No entanto, eles podem n√£o ter a mesma fobia que voc√™.
Fatores ambientais. Crenças e práticas sobre limpeza ou higiene a que está exposto quando jovem podem influenciar o desenvolvimento da germofobia.
Fatores cerebrais. Pensa-se que certas mudanças na química e função cerebral desempenham um papel no desenvolvimento das fobias.

Os est√≠mulos s√£o objetos, lugares ou situa√ß√Ķes que agravam os sintomas da fobia. Os desencadeadores de germofobia que causam sintomas podem incluir:

  • fluidos corporais, tais como muco, saliva ou s√©men
  • objetos e superf√≠cies sujas, tais como ma√ßanetas de portas, teclados de computador ou roupa n√£o lavada
  • locais onde √© conhecida a recolha de germes, tais como avi√Ķes ou hospitais
  • pr√°ticas ou pessoas n√£o higi√©nicas

Impacto no estilo de vida

Com a misofobia, o medo de germes √© suficientemente persistente para ter impacto no seu dia a dia. As pessoas com este medo podem fazer grandes esfor√ßos para evitar a√ß√Ķes que possam resultar em contamina√ß√£o, tais como comer fora num restaurante ou ter rela√ß√Ķes sexuais.
Podem tamb√©m evitar locais onde os germes s√£o abundantes, tais como casas de banho p√ļblicas, restaurantes ou autocarros. Alguns locais s√£o mais dif√≠ceis de evitar, tais como a escola ou o trabalho. Nesses locais, a√ß√Ķes como tocar numa ma√ßaneta ou apertar a m√£o a algu√©m podem levar a uma ansiedade significativa.

Por vezes, esta ansiedade leva a comportamentos compulsivos. Algu√©m com germofobia pode frequentemente lavar as m√£os, tomar banho, ou limpar as superf√≠cies. Embora estas ac√ß√Ķes repetidas possam realmente reduzir o risco de contamina√ß√£o, elas podem ser totalmente consumidoras, o que dificulta a concentra√ß√£o em qualquer outra coisa.

 


Sintomas

Todos nós temos receios, mas as fobias tendem a ser vistas como pouco razoáveis ou excessivas em comparação com os receios normais.

A ang√ļstia e a ansiedade causadas por uma fobia aos germes s√£o desproporcionadas em rela√ß√£o aos danos que os germes s√£o suscet√≠veis de causar. Algu√©m que tem germofobia pode chegar a extremos para evitar a contamina√ß√£o.

Os sintomas da germofobia s√£o os mesmos que os sintomas de outras fobias espec√≠ficas. Neste caso, eles aplicam-se a pensamentos e situa√ß√Ķes que envolvem germes.

Os sintomas emocionais e psicológicos da germofobia incluem:

  • terror intenso ou medo de germes
  • ansiedade, preocupa√ß√Ķes ou nervosismo relacionados com a exposi√ß√£o a germes
  • pensamentos de exposi√ß√£o germinal que resultem em doen√ßas ou outras consequ√™ncias negativas
  • pensamentos de ser vencido com medo em situa√ß√Ķes em que h√° germes
  • tentando distrair-se de pensamentos sobre germes ou situa√ß√Ķes que envolvam germes
  • sentir-se impotente para controlar um medo de germes que reconhece como irrazo√°veis ou extremos

Os sintomas comportamentais da misofobia incluem:

Evitar ou deixar situa√ß√Ķes que se percebe resultarem na exposi√ß√£o aos germes
gastar um tempo excessivo a pensar, a preparar-se ou a adiar situa√ß√Ķes que possam envolver germes
procurar ajuda para lidar com o medo ou com situa√ß√Ķes que causam medo
dificuldade de funcionamento em casa, no trabalho ou na escola devido ao medo de germes (por exemplo, a necessidade de lavar excessivamente as m√£os pode limitar a sua produtividade em locais onde percebe que existem muitos germes)

Os sintomas f√≠sicos s√£o semelhantes aos de outras perturba√ß√Ķes de ansiedade e podem ocorrer tanto durante pensamentos de germes como em situa√ß√Ķes que envolvem germes.

Estes Incluem:

  • batimento card√≠aco r√°pido
  • transpira√ß√£o ou arrepios
  • falta de ar
  • aperto ou dor no peito
  • formigueiros
  • tremores
  • tens√£o muscular
  • inquietude
  • n√°useas ou v√≥mitos
  • dores de cabe√ßa
  • dificuldade em relaxar

As crianças que têm medo de germes também podem experimentar os sintomas acima enumerados.

Dependendo da sua idade, podem apresentar sintomas adicionais, como, por exemplo:

  • birras, choro, ou gritos
  • apegar-se ou recusar-se a deixar os pais
  • dificuldade para dormir
  • movimentos nervosos
  • quest√Ķes de auto estima
  • Por vezes, o medo de germes pode levar a perturba√ß√Ķes obsessivo-compulsivas.

 


Medo saud√°vel vs. Medo irracional de germes

A maioria das pessoas toma precau√ß√Ķes para evitar doen√ßas comuns, tais como constipa√ß√Ķes e gripe. Todos n√≥s devemos estar um pouco preocupados com os germes durante a √©poca da gripe, por exemplo.

Na verdade, √© uma boa ideia tomar certas medidas para reduzir o risco de contrair uma doen√ßa contagiosa e de a transmitir potencialmente a outras pessoas. √Č importante tomar uma vacina contra a gripe sazonal e lavar as m√£os com regularidade para evitar ficar doente com a gripe.
A preocupa√ß√£o com os germes torna-se insalubre quando a quantidade de ang√ļstia que causa supera a ang√ļstia que evita. N√£o h√° muito que se possa fazer para evitar germes.

Pode haver sinais de que o seu medo de germes é prejudicial para si. Por exemplo, o seu medo de germes é prejudicial:

  • Se as suas preocupa√ß√Ķes com germes colocam limita√ß√Ķes significativas no que faz, para onde vai e quem v√™, pode haver motivos de preocupa√ß√£o.
  • Se estiver consciente que o seu medo de germes √© irracional, mas se sentir impotente para o parar, pode precisar de ajuda.
  • Se as rotinas e rituais que se sente obrigado a realizar para evitar a contamina√ß√£o o deixam envergonhado ou mentalmente doente, os seus medos podem ter atravessado a linha para uma fobia mais s√©ria.

 


Complica√ß√Ķes

Porque as pessoas com miofobia temem germes transportados por outros, a condi√ß√£o pode lev√°-lo a evitar situa√ß√Ķes sociais. Pode evitar reuni√Ķes como festas de trabalho, reuni√Ķes de f√©rias e reuni√Ķes. Quando participa, pode encontrar-se a evitar o contacto f√≠sico e a higienizar as suas m√£os com mais frequ√™ncia.

Ao longo do tempo, estes comportamentos podem levar ao isolamento. Os seus amigos e familiares podem não o compreender e podem percebê-lo como hostil ou mesmo paranóico. Pode desenvolver fobia social, na qual começa a temer o contacto com os outros. Pode eventualmente optar por se isolar completamente, levando à agorafobia.

 


Tratamentos

O objectivo do tratamento com germofobia é ajudá-lo a ficar mais confortável com os germes, melhorando assim a sua qualidade de vida. A germofobia é tratada com terapia, medicação e medidas de auto-ajuda.

Terapia

A terapia, também conhecida como psicoterapia ou aconselhamento, pode ajudá-lo a enfrentar o seu medo de germes. Os tratamentos mais bem sucedidos para as fobias são a terapia de exposição e a terapia cognitiva comportamental (TCC). A terapia de exposição ou dessensibilização envolve a exposição gradual aos germofobia desencadeadores. O objetivo é reduzir a ansiedade e o medo causados por germes. Com o tempo, recupera o controlo dos seus pensamentos sobre os germes.

A TCC √© normalmente utilizada em combina√ß√£o com a terapia de exposi√ß√£o. Inclui uma s√©rie de habilidades que voc√™ pode aplicar em situa√ß√Ķes em que o seu medo de germes se torna avassalador.

Medicamentos

A terapia é normalmente suficiente para tratar uma fobia. Em alguns casos, os medicamentos são utilizados para aliviar os sintomas de ansiedade associados à exposição a germes a curto prazo. Estes medicamentos incluem:

inibidores seletivos da recaptação de serotonina (IRSS)
inibidores da recaptação de serotonina-norepinefrina (INSRN)

A medica√ß√£o tamb√©m est√° dispon√≠vel para tratar sintomas de ansiedade durante situa√ß√Ķes espec√≠ficas. Estas incluem:

  • Bloqueadores beta
  • anti-histam√≠nicos
  • sedativos

 


Porque deve ser tratado

Porque os germes microscópicos e micróbios estão literalmente em todo o lado, o gatilho para alguém que experimenta a Misofobia está literalmente em todo o lado, sem nenhuma forma real de escapar a ela. A maioria dos misofóbicos sente que está sempre a limpar e ainda assim isso nunca é suficiente. Isto pode limitar severamente a vida de quase todas as maneiras.

A pessoa que sofre de misofobia n√£o s√≥ perde tempo precioso de limpeza durante horas e horas de todos os dias, como vive constantemente com medo e tens√£o. Evitar√£o tamb√©m muitas atividades e experi√™ncias sociais no exterior devido a este medo, isolando-se assim incrivelmente. Isto, por sua vez, ir√° afetar seriamente a sa√ļde mental de uma pessoa com Misofobia e pode desenvolver uma depress√£o intensa enquanto vive constantemente sob a ansiedade e o medo.


Auto ajuda

Algumas mudanças de estilo de vida e remédios caseiros podem ajudar a aliviar o seu medo de germes. Estes incluem:

  • Praticar a aten√ß√£o ou a medita√ß√£o para combater a ansiedade.
  • Aplica√ß√£o de outras t√©cnicas de relaxamento, tais como respira√ß√£o profunda ou yoga
  • manter-se ativo
  • dormir o suficiente
  • alimenta√ß√£o saud√°vel
  • procura de um grupo de apoio
  • confrontar situa√ß√Ķes temidas sempre que poss√≠vel
  • reduzir o consumo de cafe√≠na ou de outros estimulantes

A Ligação entre a Misofobia e a Transtorno Obsessivo-Compulsivo
Nem sempre é fácil determinar a diferença entre uma fobia de germes e uma limpeza excessiva e repetitiva de si próprio e do seu ambiente, devido à obsessão e ao comportamento compulsivo que define a TOC. Em alguns casos, os dois estão relacionados.
O fator determinante é a razão por detrás do comportamento de limpeza compulsiva ou de lavagem das mãos. Aqueles que têm TOC entregam-se à limpeza porque se sentem ansiosos se não realizarem a ação. Aqueles que vivem com misofobia executam o comportamento de limpeza porque têm medo dos germes Рe da contaminação que sentem que arriscam se não o fizerem.

 


Você vive com a Miosofobia?

Como sabe quando o seu interesse em evitar a contaminação chegou ao ponto de um possível diagnóstico de misofobia?

Faça a si mesmo as seguintes perguntas:

  • Evita a todo o custo os banheiros p√ļblicos?
  • Usa uma m√°scara ou luvas em p√ļblico a fim de evitar a contamina√ß√£o?
  • Recusa-se a sair de casa em vez de se deparar com germes?
  • Limpa a sua casa de forma obsessiva?
  • Lava as m√£os tantas vezes por dia que a sua pele racha e sangra?
  • N√£o consegue trabalhar ou frequentar a escola, ir a reuni√Ķes familiares e outros eventos devido ao seu medo de germes?

Se respondeu “sim” a qualquer uma destas perguntas, vale a pena consultar um psiquiatra que possa diagnosticar os seus sintomas e inform√°-lo se o tratamento de sa√ļde mental o beneficiar√° ou n√£o. Contacte-nos hoje para saber mais sobre como se ligar a um programa que lhe pode proporcionar o diagn√≥stico e o tratamento que precisa para se curar.

 


Passos de Acção

Eduque-se РUm dos desafios da superação da misofobia é aprender a corrigir pensamentos irracionais que se têm sobre germes e contaminação. Ler ou ver vídeos sobre como as bactérias são uma parte natural do nosso corpo e do nosso ambiente pode ajudá-lo a gerir o medo e a preocupação. A educação pode também dar-lhe um sentido dos requisitos gerais de higiene para que possa avaliar os seus próprios comportamentos com o que pode ser recomendado por um médico.
Encontre apoio – Milh√Ķes de pessoas sofrem de uma fobia espec√≠fica, por isso, leve algum tempo para verificar que apoio est√° dispon√≠vel na sua comunidade. Grupos de apoio presenciais e online podem ser uma for√ßa encorajadora na vida das pessoas que querem gerir a sua ansiedade em rela√ß√£o aos germes. Al√©m disso, n√£o se sinta envergonhado por contar aos seus amigos e familiares sobre a sua fobia e como o podem apoiar no seu tratamento.
Recrute um profissional – √Č dif√≠cil ultrapassar uma fobia sem a ajuda de um profissional. Fale com o seu m√©dico ou um profissional de sa√ļde mental sobre quais as abordagens terap√™uticas e/, ou medicamentos que o podem ajudar a come√ßar a gerir a sua ansiedade e a reduzir os comportamentos obsessivos que inibem a sua vida. Eles podem precisar de fazer uma avalia√ß√£o adicional para determinar se voc√™ tem Transtorno obsessivo compulsivo ou outro transtorno de ansiedade. Se eles n√£o t√™m experi√™ncia de trabalho com misofobia, n√£o hesite em pedir um encaminhamento para algu√©m com experi√™ncia.


 

Referências

      1. Carmin, C. N. (2009). Obsessive-compulsive disorder demystified. Cambridge, MA: Da Capo Press.
      2. William A. Hammond, “Mysophobia,” Neurologic Contributions 1, no.2 (1879): 40-54
      3. William A. Hammond (1883) ‚ÄúA Treatise on Insanity in Its Medical Relations‚ÄĚ
Margarida Reis
Latest posts by Margarida Reis (see all)
Written By
More from Margarida Reis

ūüźĽ Animais em Vias De Extin√ß√£o [Lista Completa]ūüĆć

Animais Em Vias De Extinção Espécies ameaçadas de extinção, qualquer espécie que...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *