Cherofobia: Causas, Sintomas e Tratamentos

Cherofobia, o medo de ser feliz

A Cherofobia é o medo de ser feliz ou de se divertir. Muitas vezes esta fobia é precipitada por sentimentos internos de culpa, talvez sobre a perda de um parente próximo ou cônjuge, ou em alguns casos como resultado de infidelidade numa relação.



O que é cherofobia?

A palavra cherofobia deriva da palavra grega “chero” que significa “regozijar-se” e ‘’phobos” que significa medo. A Cherofobia é um estado de saúde mental e é bastante incomum, embora curável. Esta fobia é uma condição que não está amplamente investigada ou definida. Os psiquiatras utilizam mais frequentemente critérios na nova edição do Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais (DSM-5) para diagnosticar problemas de saúde mental. Atualmente, o DSM-5 não enumera a Cherofobia como um distúrbio. No entanto, há alguns especialistas em saúde mental que discutem esta fobia e os seus potenciais tratamentos.

 


Causas

A Cherofobia é uma fobia específica. Pode ter ou não uma causa definida. Diversos fatores podem desempenhar um papel na mesma:

Um incidente no passado, particularmente na infância. Quando criança, o indivíduo pode ter experimentado grande alegria ou felicidade apenas para ser seguido por uma incidência traumática como a morte de uma pessoa próxima ou querida.
A fobia é também uma resposta aprendida. Um pai ou um cuidador, ou um irmão mais velho pode advertir o indivíduo contra ser demasiado feliz, pois “convida ao azar”. Pais preocupados e ansiosos podem também criar um ambiente que pode influenciar o fóbico.
Os genes também desempenham um papel importante – algumas pessoas são simplesmente mais suscetíveis a adquirir fobias como esta.
Ataques de pânico no passado ao serem felizes poderiam ter conduzido a uma situação embaraçosa para o fóbico. A mente do indivíduo aprende então a criar ainda mais ansiedade sobre a felicidade/ou a ser novamente uma situação de alegria.
O stress excessivo pode levar à ansiedade e depressão e, a longo prazo, pode fazer com que o indivíduo se torne extremamente receoso de ser feliz. Isto leva à fobia.

Se procura superar o seu medo intenso de fobia à felicidade, então é útil tentar resolver a sua causa. Por vezes, no entanto, não há uma explicação simples para isso. Evitar situações de felicidade só irá piorar o medo. Portanto, é melhor enfrentar o objeto dos seus medos, neste caso, tornar-se feliz.

Um introvertido pode ter mais probabilidades de experimentar a cherofobia. Um introvertido é uma pessoa que normalmente prefere fazer atividades sozinho ou com uma a duas pessoas ao mesmo tempo. São muitas vezes vistos como reflexivos e reservados. Podem sentir-se intimidados ou desconfortáveis em ambientes de grupo, lugares barulhentos, e lugares com muitas pessoas.

Os perfecionistas são outro tipo de personalidade que pode estar associado à cherofobia. Aqueles que são perfecionistas podem sentir felicidade é apenas uma característica de pessoas preguiçosas ou improdutivas. Como resultado, podem evitar atividades que lhes possam trazer felicidade, porque estas atividades são vistas como não produtivas.


Sintomas

Como com todas as outras fobias, o medo da felicidade pode produzir diferentes sintomas em diferentes pessoas.

Em casos graves, mesmo pensar na felicidade ou na alegria pode desencadear alguns, ou todos os seguintes sintomas:

  • Tonturas, desmaios
  • Batimento cardíaco acelerado/ Acelerado
  • Tremores, tremores
  • Ser incapaz de respirar – sensação de asfixia
  • Entorpecimento ou sensação de formigueiro
  • Sentir-se desconectado da realidade
  • Pensamentos de morte ou suicidas
  • Aperto no peito
  • Náuseas ou outros distúrbios gastrointestinais.

Em doentes com Cherofobia extrema, o medo pode levar à ansiedade incapacitante. O paciente começa mesmo a evitar certas situações, pessoas ou lugares que naturalmente têm impacto na sua rotina normal. Se os sintomas da fobia durarem mais de 6 meses, é muito importante procurar ajuda médica.


Como é diagnosticada a Cherofobia

  • Medo causado pela antecipação de uma situação específica
  • reconhecimento por pacientes adultos de que o seu medo provém da ameaça ou perigo previsto
  • envolver-se em procedimentos para evitar objetos ou situações temíveis, ou prontidão para enfrentar a situação, mas com desconforto ou ansiedade
  • a evasão da pessoa ao objeto ou situação impede a vida quotidiana e as relações
  • a fobia é contínua, e tem sido persistente durante 6 meses

Tratamento

Se as técnicas de auto-ajuda acima referidas não mostrarem resultados, é importante que procure a ajuda de um profissional. Pode inicialmente abordar o seu Médico de Clínica Geral que o poderá encaminhar para um especialista que lide com fobias. A TCC ou terapia cognitiva comportamental é uma técnica comprovada para superar fobias específicas como a Cherofobia.

O seu objetivo é identificar ligações entre pensamentos, comportamentos e sentimentos. O terapeuta pode ajudá-lo a aprender as competências para gerir os seus padrões de pensamento que desencadeiam os sintomas da fobia. Outra terapia útil para o medo da fobia da felicidade é a Hipnoterapia. Deve procurar a ajuda de um psicoterapeuta treinado para este tratamento. Em casos extremos, poderá receber medicamentos (tranquilizantes ou antidepressivos) para gerir a sua ansiedade ou ataques de pânico graves. A terapia com medicamentos deve ser sempre o último recurso, pois sabe-se que a maioria dos medicamentos para a ansiedade têm efeitos secundários graves.

Terapia de Dessensibilização Sistemática

Dessensibilização sistemática uma terapia comportamental baseada no condicionamento clássico. Esta abordagem envolve a exposição dos pacientes ao objeto ou situação que temem através de simulação ou, na realidade, expondo-os gradualmente ao que os desencadeia, a fim de combater o seu medo.

Terapia cognitivo-comportamental (TCC)

Este tipo de terapia educa o paciente sobre o ciclo de padrões de pensamento negativo e ensina técnicas para mudar esses padrões de pensamento. A TCC concentra-se em desafiar e mudar distorções cognitivas e comportamentos inúteis, melhorando a regulação emocional, e o desenvolvimento de estratégias pessoais que visam a resolução de problemas atuais.

Hipnoterapia

A hipnoterapia é um tipo de medicina complementar em que a hipnose é utilizada para criar um estado de atenção focalizada e maior sugestionabilidade durante o qual são utilizadas sugestões positivas e imagens guiadas para ajudar os indivíduos a lidar com uma variedade de preocupações e questões.

Auto-ajuda para a Cherofobia

A auto-ajuda é a melhor forma de ultrapassar qualquer fobia, embora também se possa procurar ajuda de profissionais. A chave é aprender a gerir a ansiedade e o pânico quando confrontado com a ideia de se tornar feliz. Está provado que muitas técnicas de relaxamento ajudam a alcançar o controlo da ansiedade: respiração profunda, meditação, são algumas delas.

A atenção é outra forma de ultrapassar a Cherofobia. Quando se está atento e completamente no momento presente, fica-se naturalmente livre do medo que normalmente surge quando se pensa no futuro ou no trauma do passado. A forma mais fácil de se tornar atento é chamar a sua atenção para o seu fôlego. Respire fundo quando começar a sentir-se ansioso. Aprenda também a tomar cada dia e cada momento à medida que ele chega. Isto evitará o excesso de preocupação e ansiedade.

Grupos de apoio online e offline também podem ajudar. Quando fala com as pessoas e partilha os seus medos com outros, sente-se confortado com o pensamento de que não está sozinho.


 

Referências

  1. Joan Robinson (17 March 2014), What’s so bad about feeling happy?, Springer
  2. sai, Jeanne L.; Louie, Jennifer Y.; Chen, Eva E.; Uchida, Yukiko (2007). “Learning What Feelings to Desire: Socialization of Ideal Affect Through Children’s Storybooks”. Personality and Social Psychology Bulletin. 33 (1): 17–30
  3. Joshanloo, Mohsen (2018). “Fear and fragility of happiness as mediators of the relationship between insecure attachment and subjective well-being”. Personality and Individual Differences.
  4. Tsai, Jeanne L.; Louie, Jennifer Y.; Chen, Eva E.; Uchida, Yukiko (2007). “Learning What Feelings to Desire: Socialization of Ideal Affect Through Children’s Storybooks”. Personality and Social Psychology Bulletin
Margarida Reis
Latest posts by Margarida Reis (see all)
Written By
More from Margarida Reis

📲 As Vantagens e Desvantagens do telemovel

As Vantagens e desvantagens do Telemóvel e de como mudou o mundo...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *