Autofobia (medo de estar sozinho): Causas, Sintomas e Tratamentos

autofobia - causas sintomas e tratamentos

Autofobia(o medo de estar sozinho)

Tal como outras perturbações de ansiedade, a autofobia pode levar a alguns sintomas físicos, bem como psicológicos. A autofobia pode ser angustiante e pode ter um impacto negativo na vida de uma pessoa se não for tratada.Compreender a autofobia e como ela pode ser tratada ajuda as pessoas que têm a condição a geri-la melhor. Este artigo explora a definição de autofobia, os seus principais sintomas, e os tratamentos disponíveis.



O que é Autofobia?

Autofobia é também chamada eremofobia, monofobia, ou isolofobia. É uma fobia de isolamento, sendo egocêntrica, ou ser ser ignorado.

As pessoas com autofobia não têm necessariamente de estar fisicamente sós para experimentar sintomas. A autofobia é um tipo de fobia específica.

Uma fobia específica é um tipo de distúrbio de ansiedade que envolve um medo persistente, irracional, e excessivo de um objeto ou situação particular.

Uma fobia específica leva uma pessoa a evitar aquilo de que tem medo ou a experimentar uma ansiedade intensa se for forçada a suportá-la. Para uma pessoa diagnosticada com autofobia, a ideia e a experiência de passar tempo sozinha pode causar ansiedade severa.

O termo autofobia vem da palavra “auto” (que significa auto) e a palavra “fobia” (que significa medo). No sentido literal, então, autofobia é quando as pessoas têm medo de si próprias.

Contudo, não é a isto que o estado de saúde mental, autofobia, se refere. No campo da saúde mental, autofobia é quando uma pessoa tem medo de passar tempo sozinha.

 


Qual é a diferença entre autofobia e solidão?

A autofobia não é o mesmo que sentir-se só. Muitas pessoas experimentam a solidão quando não têm interação social suficiente ou quando lhes faltam relações significativas. Algumas pessoas podem até sentir-se sós quando estão numa sala com outras pessoas.
Sentir-se triste por estas razões é bastante racional e diferente de experimentar a autofobia. A autofobia é uma ansiedade irracional e grave, desencadeada pela ideia de tempo passado sozinho ou sem uma pessoa específica, que afeta a capacidade de uma pessoa de realizar atividades diárias.


Diagnóstico

Qualquer pessoa que experimente os sintomas de autofobia deve falar com o seu médico. Uma vez que o médico tenha excluído quaisquer causas físicas para os sintomas, pode encaminhar a pessoa para um especialista em saúde mental. Um especialista em saúde mental fará perguntas sobre o comportamento e os sentimentos de uma pessoa. Isto ajuda-os a avaliar o estado de espírito de uma pessoa e a diagnosticar quaisquer condições de saúde mental que possam estar a afetá-lo. Para ser diagnosticada com autofobia, a ansiedade que a fobia causa será suficientemente significativa para atrapalhar as atividades diárias de uma pessoa.


Causas

A autofobia é um medo irracional que surge quando se teme que se esteja sozinho. Embora possa não haver uma ameaça real de estar sozinho, ainda não será capaz de controlar os seus sintomas. Só poderá ser capaz de funcionar normalmente se já não se sentir só. Se estiver sozinho, poderá sentir uma necessidade desesperada de acabar com a sua solidão o mais rapidamente possível. Além disso, pode ser o resultado de um trauma em que sofreu porque estava sozinho e vulnerável, ou porque não tinha ninguém na altura para o ajudar a lidar com um acontecimento terrível.

Os médicos acreditam que, na maioria dos casos, o medo de fobia de abandono deriva de traumas de infância quando um pai ou um ente querido sai após um divórcio (ou morre). Mesmo na idade adulta, o doente continua a acreditar e temer que todas as pessoas significativas na sua vida o abandonem de forma semelhante. Assim, a fobia deriva do comportamento aprendido com as experiências de infância.
O abandono na infância pode ser físico, emocional ou financeiro. Tudo isto pode ser traumático para a criança pequena. A morte de um dos pais dá origem a vários sentimentos esmagadores seguidos de dificuldades financeiras, mudança de estilo de vida, ou mudança de casa, etc. Isto aprofunda ainda mais o trauma.

Por vezes, o medo de fobia de abandono pode surgir repentinamente na idade adulta, quando se está financeira ou emocionalmente dependente de outro adulto, que morre ou sai levando a uma perda significativa do apoio financeiro e emocional.

Os indivíduos com uma deficiência adrenalina ou aqueles com tendência geral para serem excessivamente ansiosos ou “com uma forte tensão” são também mais propensos a sofrer de tal fobia.


Sintomas

A autofobia varia em grau e intensidade, levando a diferentes níveis de sintomas nos indivíduos que sofrem. Os principais sintomas provocados por esta fobia incluem:

  • Raiva
  • Ciúmes
  • apreensão
  • Evitar a intimidade ou as relações
  • Depressão

Sintomas de ansiedade e ataque de pânico, tais como tremores, tremores, náuseas, dores de cabeça, angústia gastrointestinal, aumento do ritmo cardíaco, respiração rasa ou rápida, etc., só de pensar em ficar sozinho.

Estes efeitos psicológicos são vistos em todos os aspetos da vida do doente, a ponto de poderem ter impacto nas suas relações sociais, profissionais e íntimas:

  • Um cônjuge suspeita constantemente que o seu parceiro tem um caso
  • O pai autofóbico não permite que o seu filho estabeleça relações íntimas com os seus pares
  • Um parceiro envia constantemente mensagens/chamadas ou textos ao outro
  • Um frequenta funções de escritório ou outros eventos em que não é convidado
  • Persegue ex-cônjuge após um divórcio

Quando é que os sintomas aparecem?

Quando as pessoas com Autofobia estão sozinhas ou são confrontadas com a perspetiva de estarem sozinhas, tendem a repensar pequenas coisas como ruídos e sombras. Quanto mais tempo estão sozinhas, mais convencidas estão de que estão na presença de algum tipo de ameaça. Mesmo sabendo que é um medo irracional, são incapazes de encerrar completamente o pensamento, que cresce com cada momento passado sozinho.

Os sintomas também podem ser desencadeados quando pessoas com fobia de estarem sozinhas se veem confrontadas com a perspetiva de ficarem sozinhas durante algum tempo. O medo da solidão iminente pode levar ao aparecimento dos sintomas que se intensificarão lentamente ao longo do tempo.

Uma vez que a Autofobia é o medo de estar sozinho, as pessoas que sofrem desta condição podem enfrentá-la mesmo quando se encontram num ambiente confortável, como a sua própria casa.

A ansiedade severa toma conta da pessoa e é incontrolável e irracional. A pessoa tem imediatamente a necessidade de outra pessoa estar por perto, a fim de quebrar o stress e sentir-se novamente segura.

A pessoa pode saber que está fisicamente segura e ainda assim passar pelos ataques de pânico. Estas pessoas podem viver com medo de estranhos que as ataquem, ou de assaltantes que invadam as suas casas.

Muitas vezes, este medo pode simplesmente ser atribuído a sentir-se indesejado ou a não ser amado por outro indivíduo. Um problema médico súbito pode também desencadear os efeitos da fobia de estar sozinho.


Tratamento

Antes de entrarmos no tratamento, é importante notar que esta fobia é uma desordem baseada no medo. Se pensa que tem este tipo de fobia, deve visitar imediatamente um médico de clínica geral. Eles poderão encaminhá-lo para alguém que seja um especialista em cuidados de saúde mental.

O especialista em cuidados de saúde começará normalmente por realizar uma avaliação psicológica. Terá de fornecer o seu historial médico a fim de considerar se alguma doença física pode estar a causar problemas de saúde mental.
Pouco tempo depois, será realizada a avaliação psicológica. Ser-lhe-ão feitas muitas perguntas envolvendo todas as suas atividades diárias e os sentimentos que experimenta.

A autofobia é também considerada como uma fobia situacional. O que isto significa é que numa situação em que se tem de estar sozinho ou se sente só, sente-se uma quantidade avassaladora de angústia.

Para ser diagnosticado com uma fobia de estar sozinho, o medo de se encontrar sozinho tem de ter causado tanta ansiedade que interfere com as rotinas diárias e o funcionamento normal.

Por vezes, as pessoas podem ter mais do que uma fobia. Nestes casos, pode significar que o indivíduo está a lidar com mais do que apenas uma fobia, o que pode tornar a fobia de estar sozinho ainda mais difícil de lidar. Terá realmente de se abrir ao seu médico para discutir mais aprofundadamente esta questão e chegar a uma conclusão adequada.

As pessoas que sofrem de uma fobia como uma fobia de estarem sozinhas podem normalmente ser tratadas com psicoterapia. A terapia de exposição e a terapia cognitiva comportamental são os tipos de tratamento mais comuns utilizados.

Os tratamentos para a autofobia incluem:

Terapia cognitiva comportamental (TCC)

Este tipo de terapia oferece às pessoas técnicas práticas para lidar com a sua ansiedade em torno do tempo passado sozinhas. Esta terapia expõe o doente diretamente à fobia. Outras técnicas podem ser utilizadas para permitir ao paciente aprender a lidar com e enfrentar diretamente o medo de estar sozinho. Esta é uma forma construtiva de abordar o problema.

Este tipo de terapia permite ao terapeuta estudar o padrão de pensamento do paciente em relação à fobia. A terapia cognitivo-comportamental proporciona um sentido de confiança mais forte para enfrentar a Autofobia. O paciente vai sentir-se menos sobrecarregado da próxima vez que confrontar a fobia.

Terapia de exposição

De acordo com investigações realizadas na Universidade de Exeter, Reino Unido, a terapia de exposição ajuda a quebrar o círculo vicioso de evasão que pode acontecer quando alguém tem uma fobia específica. Na autofobia, ter medo de estar sozinho faz com que as pessoas evitem passar tempo sozinhas. Sempre que evitam passar o tempo sozinhas, a ideia de ter de enfrentar passar o tempo sozinhas causa mais ansiedade do que anteriormente. Ao expor repetidamente uma pessoa à sua fobia de forma controlada, a terapia de exposição quebra este ciclo e aumenta a sua tolerância ao tempo passado sozinha.

Este tipo de terapia trata comportamentos evasivos que se desenvolveram imensamente ao longo de um período de tempo. O objetivo final desta terapia é ser capaz de melhorar a qualidade de vida do paciente para que a fobia já não limite as suas capacidades e rotinas normais do dia a dia.

O médico vai querer expor novamente o paciente à fonte real da fobia várias vezes. Isto começará num ambiente controlado onde o paciente se sinta inicialmente mais seguro. Mais tarde, o médico poderá acelerar o processo e colocá-lo numa situação real.
Um terapeuta que esteja a tratar a autofobia trabalhará no sentido de aumentar os níveis de tolerância do paciente em situações em que este se encontra sozinho durante longos períodos de tempo. Pode ser tão simples como sair do consultório do terapeuta e depois ficar a uma curta distância durante um período de tempo.

Esta distância e tempo serão lentamente aumentados ao longo do tempo, a fim de melhorar os níveis de tolerância. Permite ao paciente progredir de forma constante ao longo do tempo sem muito stress.

Hipnoterapia

A hipnoterapia é uma terapia experimentada e testada para tratar a Autofobia. Chega à raiz do problema e ajuda a reprogramar os pensamentos subconscientes para ajudar a dissipar o medo.

Medicação

Por vezes uma pessoa com autofobia pode precisar de medicação para além da psicoterapia. Os beta-bloqueadores, que bloqueiam os efeitos da adrenalina que é libertada quando alguém está ansioso, podem ajudar. Em alternativa, as benzodiazepinas, que têm um efeito sedativo, podem ajudar a reduzir a ansiedade. Mas os médicos tentam prescrevê-las apenas em casos graves, uma vez que podem causar dependência.

Terapia de grupo

Este tipo de “apoio de grupo” envolve encontros periódicos com outras pessoas, que também sofrem de ansiedade, abuso de substâncias ou fobia.

Isto permite que o indivíduo se sinta menos só na sua situação difícil. Ajuda-os a melhorar o seu estilo de vida simplesmente aceitando que há outros por aí que passam por questões semelhantes e que é vencível.

Conclusão

Para pessoas diferentes, “estar sozinho” significa coisas diferentes. Algumas pessoas têm medo de estar sem uma pessoa em particular, e para algumas pessoas, é um medo de estar sem ninguém por perto.

Esta necessidade de proximidade irá variar de uma pessoa para outra. Algumas pessoas que sofrem de Autofobia quererão estar na mesma sala que outro indivíduo, mas para outras, estar no mesmo edifício é bastante bom.

Precisam de estar com outra pessoa que possa atrapalhar o funcionamento normal e tornar uma pessoa tão inválida que seja incapaz de ser feliz ou levar uma vida produtiva, uma vez que estão constantemente a combater os pensamentos e o medo de estar sozinhas.
Se por acaso sentir que experimentou os sintomas da Autofobia, precisará de procurar ajuda imediatamente. Nada ajuda mais do que aderir a um plano de tratamento adequado.

A recuperação é possível com a quantidade certa de esforço. Certifique-se de marcar uma visita ao seu médico de clínica geral ou especialista em cuidados de saúde mental. Poderá aprender mais sobre a sua fobia e, portanto, estar melhor equipado para compreender os seus próprios sentimentos, pensamentos, e reações.


 

Referências

    1. Gould, Dr. George Milbry (1910). The Practitioner’s Medical Dictionary 2nd ed. Philadelphia: P. Blackiston’s Son & Co. 
    2. McCray, Alexa; Browne, Allen; Moore, Dorothy (9 de novembro de 1988). «The Semantic Structure of Neo-Classical Compounds». Proc Annu Symp Comput Appl Med Care
    3. “Monophobia Chat room, Anxiety, Panic Attacks, Panic, Forum”. www.phobiasupport.com.
    4. McCray, Alexa; Browne, Allen; Moore, Dorothy (November 9, 1988). “The Semantic Structure of Neo-Classical Compounds”. Proc Annu Symp Comput Appl Med Care
Margarida Reis
Latest posts by Margarida Reis (see all)
Written By
More from Margarida Reis

Cinofobia (medo de cães): Causas, Sintomas, Tratamentos

Cinofobia: O medo dos Cães Cinofobia: Você tem medo de cães? A...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *