ūüźĚ Apifobia: (Medo de Abelhas) Causas, Sintomas, Tratamentos

aprenda tudo sobre a apifobia

Tudo sobre Apifobia – O medo de Abelhas

Para algumas pessoas, as abelhas são o material dos seus pesadelos. A maioria de nós teme algo, mas alguns receios impedem-nos de levar uma vida normal. Um exemplo de um medo tão limitador é a apifobia. Evitar abelhas porque não se quer ser picado não significa que elas sejam apifóbicas. Ninguém quer ser picado por uma abelha. Uma pessoa que sofra de medo de abelhos pode, no entanto, adotar medidas extremas para evitar qualquer possibilidade de interação com abelhas.

Para uma pessoa apif√≥bica, ver uma abelha pode faz√™-la tremer de terror e envi√°-la para o p√Ęnico. Para aqueles que n√£o partilham deste medo, pode parecer irracional, mas a culpa n√£o √© deles, e n√£o podem evit√°-lo na altura.



O que é Apifobia?

A melissofobia, ou apifobia, é quando se tem um medo intenso de abelhas. Este medo pode ser avassalador e causar uma grande ansiedade.

A apifobia ou o medo das abelhas √© medo comum que afeta uma parte consider√°vel da popula√ß√£o. A palavra deriva do latim “api” que significa abelhas e do grego “phobos” que significa pavor ou medo profundo. Muitas pessoas que sofrem de apifobia n√£o s√≥ t√™m medo das abelhas, como tamb√©m das vespas e de muitos outros insetos que voam.

Em certa medida, o medo das abelhas é absolutamente normal e saudável. Muitas pessoas sentem apreensão perante a visão das abelhas, uma vez que ninguém quer ser picado. Mas no caso da Apifobia, mesmo a menção de abelhas (ou imagens de abelhas) pode desencadear uma resposta de ansiedade semelhante à de ser realmente picado. Assim, a apreensão normal e saudável transforma-se em medo paralisante que pode perturbar o funcionamento do dia a dia do fóbico.

A melissofobia √© uma das muitas fobias espec√≠ficas. As fobias espec√≠ficas s√£o um tipo de dist√ļrbio de ansiedade. Pessoas com uma fobia espec√≠fica t√™m um medo profundo e irracional de um animal, objeto ou situa√ß√£o.

Continue a ler para saber mais sobre a afipobia, o que a causa, e como é tratada.


Diagnóstico

Para diagnosticar a apifobia, o paciente deve preencher os seguintes critérios:

  • Intenso medo e ansiedade em rela√ß√£o √†s abelhas e vespas.
  • Medo e ansiedade imediatos quando expostos ao est√≠mulo
  • O est√≠mulo √© ativamente evitado, mas √© acompanhado de medo e ansiedade
  • Medo e ansiedade desproporcionados em rela√ß√£o ao perigo real da situa√ß√£o
  • Medo persistente, ansiedade e t√°ticas de evas√£o que se prolongam por 6 meses ou mais
  • Medo, ansiedade e preven√ß√£o que causem ang√ļstia cl√≠nica ou deteriora√ß√£o da vida social, do trabalho ou de outras √°reas importantes
  • A condi√ß√£o n√£o pode ser melhor explicada por qualquer outra condi√ß√£o psicol√≥gica.

 


Causas

Fobias relacionadas com insetos, como a melissofobia, são um tipo comum de fobia específica. No entanto, ainda é desconhecido o que causa exatamente o desenvolvimento de fobias.

Acredita-se que os seguintes fatores contribuem para isso:

Experiências negativas. Uma fobia pode estar ligada a uma experiência angustiante ou desagradável. Por exemplo, sentir a dor associada a uma picada de abelha ou ter uma má reação a uma picada de abelha pode levar a um medo de abelhas.
Ser picado quando criança, e lembrar o evento, bem como anexar uma memória muito perturbadora ou angustiante ao evento. Em certo sentido, este medo é racional, porque a mente aprendeu que uma picada de abelha pode ser dolorosa. Por outro lado, a mente pode irracionalmente exagerar a potencial probabilidade e regularidade de ser picada no futuro.
Ver uma outra pessoa ser picada e, ao constatar esta ang√ļstia, pode igualmente causar um receio justificado de picadas de abelhas, mas uma vis√£o exagerada da amea√ßa geral.
Comportamento aprendido. Voc√™ pode aprender a temer algo baseado em informa√ß√Ķes que recebe de outras fontes. Isto poderia incluir coisas como observar o medo de abelhas por parte dos pais ou ouvir not√≠cias, ou avisos sobre “abelhas assassinas”.
Fatores individuais. Todos processam o medo e a ansiedade de formas diferentes. Algumas pessoas podem naturalmente ter um temperamento mais ansioso do que outras.
Ser ensinada, especialmente pelos adultos, a temer as abelhas e, em particular, a √™nfase muito grande (mesmo exagerada) nos perigos de ser picada. Por exemplo, se os seus pais ou professores entraram em p√Ęnico sempre que uma abelha passava e se eles eram muito protectores para consigo, isso pode ter amplificado o seu medo do perigo. Com um condicionamento social t√£o forte, pode desenvolver apifobia (mesmo que nunca tenha sido picado).

As crianças podem, por vezes, aprender que comportamentos específicos as ajudam a ganhar atenção. Por exemplo, uma criança pode aprender que, ao criar um alvoroço quando se vêem abelhas nas proximidades, garante uma reação parental. Na idade adulta, isto torna-se um medo irracional das abelhas, mas as suas raízes há muito que são esquecidas.

 


Outras Causas da Apifobia

Alergia

Algumas pessoas são alérgicas a picadas de abelhas ao ponto de lhes poder ser mortal se forem picadas vezes suficientes. Saber que bastantes picadas podem acabar com a sua morte pode ser suficiente para os empurrar sobre o penhasco do medo e para a apifobia.
Não importa se já foram picados antes e tiveram uma experiência de quase morte ou se nunca foram picados Рo medo pode desenvolver-se da mesma forma.

Stress Pós-Traumático

As pessoas que sofreram acidentes infelizes com abelhas, como serem picadas por várias abelhas, ou que se encontram em enxame, podem acabar apifóbicas. Este é especialmente o caso quando a vítima era uma criança quando o incidente ocorreu. Pode ser uma experiência alarmante e pode levar ao stress pós-traumático, que se manifestará como uma apifobia.

Representação nos meios de comunicação social

Tamb√©m n√£o ajudou o facto de as abelhas terem sido v√°rias vezes os vil√Ķes em tudo, desde desenhos animados a filmes. Os meios de comunica√ß√£o social t√™m representado muitas vezes as abelhas como uma massa em enxame de perigo. Crescer a ver isto na televis√£o pode desenvolver uma perce√ß√£o de amea√ßa por parte das abelhas, em vez de um medo apoiado por uma experi√™ncia da vida real.

Abelhas Assassinas

A loucura por abelhas como vil√Ķes nos meios de comunica√ß√£o social come√ßou com as populares “abelhas assassinas”. A origem desta frase √© um acidente relacionado com abelhas que ocorreu na d√©cada de 1950. Nessa altura, as abelhas-africanas, que se pensava produzirem mais mel, eram importadas para o pa√≠s.

Estas abelhas-africanas foram acidentalmente libertadas para o p√ļblico. Estas abelhas acabaram por acasalar com outras esp√©cies de abelhas selvagens na Europa, criando uma nova estirpe de abelhas, que foram referidas como “abelhas-africanas“.

Estas abelhas africanizadas eram muito mais agressivas do que as abelhas-europeias normais, que eram mais d√≥ceis. Estas abelhas foram chamadas “abelhas assassinas” pelo facto de poderem matar as suas v√≠timas quando atacavam.

Isto levou a várias histórias e filmes de abelhas gigantes com veneno letal, o que na realidade é o oposto. As abelhas assassinas são, na realidade, mais pequenas do que as abelhas melíferas normais e os seus picadores transportam um veneno menos potente.

A √ļnica raz√£o porque conseguiram matar v√°rias centenas de pessoas nos √ļltimos 50 anos √© porque respondem muito mais rapidamente √† perturba√ß√£o das col√≥nias do que as abelhas normais e em maior n√ļmero. O seu enxame √© enorme.

Para matar um adulto de tamanho m√©dio que n√£o tem alergias, a v√≠tima tem de ter sido picada at√© mil vezes. Nas abelhas-comuns, este n√ļmero √© muito pouco prov√°vel de ser atingido. Nas abelhas africanizadas, no entanto, √© muito poss√≠vel.

Independentemente disso, os meios de comunicação social exageraram muito o carácter agressivo destas abelhas e, compreensivelmente, isso levou ao medo.

 


Sintomas

Os sintomas de uma fobia específica podem ser tanto psicológicos como físicos.

Se tiver apifobia, pode sentir sintomas psicológicos, como por exemplo:

  • sentir imediatamente um medo ou uma ansiedade intensa quando se pensa, ou se v√™ abelhas
  • sabendo que a ansiedade que sente n√£o √© razo√°vel, mas sendo incapaz de a controlar
  • sair do seu caminho para evitar locais ou situa√ß√Ķes que o possam levar a entrar em contacto com abelhas

Os sintomas físicos também podem ocorrer quando se está exposto a abelhas. Podem incluir:

  • Batimento card√≠aco r√°pido ou acelerado
  • suor
  • tremores
  • aperto no peito
  • falta de ar
  • tonturas
  • n√°usea
  • Sem f√īlego
  • Pensamentos de morte ou fotografias de cinema sobre ser picado na mente do f√≥bico
  • Perda de controlo, desapego da realidade
  • Ataque de p√Ęnico ou de ansiedade quando o f√≥bico tenta correr, ou grita ou chora
  • Desmaio

Além disso, uma criança com melissofobia pode fazer o seguinte em resposta às abelhas:

  • gritar
  • agarrar-se ou recusar-se a sair do seu lado
  • congelar
  • come√ßar uma birra

Como Superar a Apifobia

Uma parte importante da superação do medo das abelhas é a compreensão dos factos sobre as abelhas:

As abelhas só picam quando provocadas.A maioria das abelhas não pode sequer picar (o que inclui as abelhas machos e as variedades solitárias).
As abelhas são insetos espantosos que nos fornecem alimentos e medicamentos. São também atores essenciais no ecossistema.

Estes factos podem ajudar os fóbicos a racionalizar os seus pensamentos temerosos.

 


Tratamentos

Como muitas fobias, o tratamento da doen√ßa √© geralmente melhor deixado a um profissional de sa√ļde mental. O objetivo de qualquer perito deste tipo √©, em primeiro lugar, visar o fator de incitamento inicial que causou o medo irracional e extremo da pessoa. O paciente e o terapeuta falam sobre o porqu√™ do medo infundado, como eles podem lidar com quaisquer experi√™ncias traum√°ticas que causaram a fobia, bem como formas de lidar com os sintomas da doen√ßa. Este tipo de terapia √© normalmente muito eficaz, com a grande maioria dos doentes a superar completamente ou a lidar com sucesso com a apifobia sem sintomas durante anos, se n√£o durante o resto das suas vidas.

A apifobia pode ser um problema grave se se vive num local onde as abelhas são muito comuns. Pode fazer com que você perca tantas coisas. Como tal, se a situação se prolongar por até seis meses, é altura de consultar um médico. Há diferentes formas de tratar a apifobia:

  • Terapia Cognitiva Comportamental (TCC)
  • Medicamenta√ß√£o
  • Relaxamento e terapia de exposi√ß√£o

Terapia Cognitivo Comportamental (TCC)

Este processo implica falar com um terapeuta e desenterrar as ra√≠zes por detr√°s do medo das abelhas. Normalmente, o medo nasce da negatividade que me vem √† cabe√ßa quando penso em abelhas, seja por uma m√° experi√™ncia, seja apenas por medo. Em ambos os casos, o terapeuta partilha e conversa com a pessoa afetada, tentando mudar estas opini√Ķes sobre as abelhas e fazer com que a pessoa as veja de forma mais positiva utilizando factos positivos das abelhas.

Ao longo do processo terapêutico, reforçarão a ideia de que a causa do seu medo Рneste caso, as abelhas Рé geralmente segura. Pode também aprender exercícios de respiração e relaxamento para o ajudar a lidar com a situação.

Medicamentos

Em casos muito graves, uma pessoa afetada pode ter necessidade de utilizar medicamentos para refrear a sua apifobia. Os antidepressivos e os medicamentos anti ansiedade podem ajudar a controlar a apifobia, uma vez que ajudam o cérebro a equilibrar químicos como a serotonina, que determina o temperamento de uma pessoa.

Os medicamentos que lhe podem ser prescritos podem incluir:

benzodiazepinas – um tipo de sedativo que o pode ajudar a relaxar e a acalmar
beta-bloqueadores Рque podem reduzir alguns sintomas físicos como pressão sanguínea elevada e aumento da frequência cardíaca

Terapia de Relaxamento e Exposição

Este √© um processo muito simples, embora seja mais pr√°tico e pr√°tico do que a terapia cognitivo comportamental. Envolve a utiliza√ß√£o de brinquedos, imagens ou outros m√©todos visuais para induzir uma sensa√ß√£o de estar perto de abelhas. O objetivo disto n√£o √© causar medo √† pessoa afectada desnecessariamente; √© ajud√°-la a desenvolver uma toler√Ęncia √†s abelhas em seguran√ßa. Ver estas imagens de abelhas a toda a hora ajudar√° o indiv√≠duo a habituar-se √†s abelhas e a perder o medo.

√Č um processo gradual e envolve frequentemente exerc√≠cios de relaxamento, como medita√ß√£o e yoga. Isto ajuda o paciente a estar calmo enquanto enfrenta o seu medo at√© que este desapare√ßa. Para a apifobia, um profissional de sa√ļde mental pode come√ßar por falar apenas de abelhas ou pedir-lhe que pense em abelhas. Podem ent√£o passar a mostrar-lhe uma imagem de uma abelha, acabando por chegar a uma situa√ß√£o em que se est√° perto de abelhas.

Alguns terapeutas optam por utilizar a terapia cognitiva comportamental. Com este tipo de tratamento, o paciente encontra-se com o terapeuta e, numa progress√£o sistem√°tica e gradual, confronta a fonte do medo enquanto aprende a controlar as rea√ß√Ķes f√≠sicas e mentais ao mesmo. Ao enfrentar a fobia de frente, o paciente acostuma-se a ela e acaba por perceber que os seus receios iniciais n√£o se baseavam num perigo real ou iminente.

Se procura ajuda para a apifobia, é muito fácil encontrá-la. Há muitos terapeutas e grupos de pares dispostos a ajudar não só com a desordem, mas também com as dificuldades psicológicas que lhe estão associadas. Se a auto ajuda não funcionar, não hesite em recorrer a esses recursos para obter apoio.

 


Como lidar com o medo das abelhas

Se acreditar que tem medo de abelhas, há algumas coisas que você pode fazer para ajudar a geri-lo:

Tente reordenar a situa√ß√£o. Embora haja v√°rias raz√Ķes muito v√°lidas para ter medo delas, as abelhas tamb√©m s√£o muito importantes. Como polinizadores, s√£o vitais para os nossos ecossistemas – e o seu n√ļmero est√° em decl√≠nio.
Esteja preparado em casa. Evite ter abelhas na sua casa, fazendo uma inspeção durante o inverno a quaisquer zonas que possam albergar uma colónia de abelhas. Se encontrar uma colmeia ou colónia, contacte um apicultor local.
Tomar medidas para não atrair abelhas. As abelhas são mais atraídas por cores escuras, perfumes e colónias. Se vai estar numa zona onde estão presentes abelhas, evite usar estas coisas.
Resistir ao impulso de evitar totalmente as abelhas. Dê pequenos passos para se sentir mais confortável perto das abelhas. Isto pode ser algo como ir a um parque onde as abelhas podem estar por perto ou um passo maior, como observar os apicultores no trabalho. Isto é conhecido como terapia de exposição.
Tente relaxar. Pratique técnicas de relaxamento para ajudar a baixar os seus níveis de ansiedade. Estes podem incluir coisas como exercícios respiratórios, meditação ou yoga.
Junte-se a um grupo de apoio. Por vezes, falar com outros que partilharam experiências semelhantes pode ajudá-lo a lidar com a situação. Pense em procurar um grupo de apoio à ansiedade perto de si.
Mantenha-se saudável. Cuidar de si próprio é importante. Tente fazer exercício físico regularmente, faça uma dieta equilibrada e durma o suficiente.


Como ajudar uma criança com medo de abelhas

Para al√©m das sugest√Ķes acima, pode tomar medidas adicionais para ajudar uma crian√ßa com medo de abelhas:

Ser aberto e recetivo. Permita que o seu filho fale consigo sobre os seus sentimentos e medos. Diga-lhes que você está lá para os ouvir e para os ajudar se precisarem.
Demonstrar comportamentos positivos. As crianças aprendem, muitas vezes, observando os outros. Se encontrar uma abelha, tente manter-se calmo e evite comportamentos como espancá-la ou fugir.
Evite o reforço. Tente ter uma rotina normal e não se esforce para evitar as abelhas. Isto não só reforça a ideia de que as abelhas podem ser perigosas, como também elimina as oportunidades de exposição.
Elogie. Pode ser difícil para qualquer pessoa enfrentar os seus receios. Se o seu filho fizer isto, quer esteja a olhar para uma fotografia de uma abelha, quer esteja numa zona onde estão presentes abelhas, não deixe de as reconhecer por isso.

 


Quando consultar um profissional médico

Embora muitas pessoas possam ter medo de abelhas e tentar evit√°-las, fale com um m√©dico se sentir que o seu medo est√° a causar uma quantidade significativa de ang√ļstia ou est√° a afetar negativamente a sua vida di√°ria, incluindo o seu tempo:

  • em casa
  • no trabalho
  • na escola
  • socialmente

Muitas fobias podem ser tratadas eficazmente com terapia. Além disso, a terapia pode ser mais eficaz quando é iniciada mais cedo.


 

Referências

      1. Echebur√ļa, E. & de Corral, P. (2009). Trastornos de ansiedad en la infancia y adolescencia. Madrid: Pir√°mide.
      2. Caballo, V.(2011) Manual de psicopatologia y trastornos psicológicos. Madrid: Ed. Piramide.
      3. American Psychiatric Association (1994). Diagnostic and statistical ma ‚Äď nual of mental disorders, 4¬™ edici√≥n. Washington: APA.
      4. Irena Milosevic Ph.D.; Randi E. McCabe Ph.D. (3 de março de 2015). Phobias: The Psychology of Irrational Fear: The Psychology of Irrational Fear. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 26. ISBN 978-1-61069-576-3
Margarida Reis
Latest posts by Margarida Reis (see all)
Written By
More from Margarida Reis

Ablutofobia – Medo de Tomar Banho: Causas, Sintomas e Tratamentos

Tudo Sobre: Ablutofobia РMedo De Tomar Banho A ablutofobia é uma...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *