Tudo sobre: Acrofobia – Sintomas, Causas e Tratamentos

Acrofobia - medo das alturas - causas, sintomas, tratamentos possiveis

Tudo Sobre o Medo de Alturas – Acrofobia

A acrofobia é definida como um medo das alturas. Ao contrário de uma fobia específica, tal como a aviofobia, que é o medo de voar, a acrofobia pode fazer temer uma variedade de coisas relacionadas com o facto de estar longe do solo. Dependendo da gravidade da fobia, pode recear estar num piso alto de um edifício, tanto como simplesmente subir uma escada.

No que respeita aos receios, o medo das alturas é relativamente comum. Oficialmente conhecido como acrofobia, o medo das alturas é mais do que o medo ou ansiedade normal quando em alturas extremas e perigosas. Em vez disso, a acrofobia é o medo intenso de alturas que podem não ser particularmente elevadas. O medo pode ser desencadeado por algo tão simples como estar numa escada de mão curta ou olhar pela janela a partir de um chão que está acima do nível do solo. A acrofobia pode tornar-se bastante debilitante para o doente e pode ter um impacto na vida quotidiana.



O que é a acrofobia?

Cerca de uma em cada três pessoas diz que sente algum desconforto ou angústia quando exposta a alturas. Mas nem todas estas pessoas têm acrofobia. O termo acrofobia é reservado a pessoas com medos extremos, irracionais e persistentes das alturas e situações a elas associadas.

É uma das chamadas fobias do ambiente natural, que inclui também o medo de trovões e de trovões (astrofobia) ou de água (aquafobia).

As pessoas com acrofobia evitam frequentemente situações em que ficarão expostas a alturas. No entanto, isto nem sempre é possível.

Quando confrontadas com as alturas ou antecipando-as, o seu sistema nervoso simpático é despertado, como se estivessem a preparar o corpo para uma emergência. Esta excitação ajuda a aproximar-se ou a escapar de uma ameaça (vulgarmente conhecida como a resposta de combate ou de voo).Podem sentir vertigens (sensação de movimento ou girar), aumento do ritmo cardíaco, falta de ar, suor, ansiedade, tremores e náuseas ou dores de estômago.

Uma resposta de luta ou de voo (fight or flight) pode ser adaptável em situações perigosas, porque pode ajudar-nos a responder a situações perigosas.Mas nas pessoas com acrofobia, esta resposta pode ocorrer quando não existe perigo. Por exemplo, algumas pessoas ficam extremamente aflitas quando pensam nas alturas.

Há duas perspectivas principais sobre a forma como a acrofobia se desenvolve. Em geral, os medos e fobias ou são inatos (perspetiva evolutiva) ou aprendidos (perspetiva comportamentalista).


Sintomas da acrofobia

Algumas pessoas usam a palavra “vertigem” quando descrevem o seu medo das alturas, mas a vertigem, ou a sensação desagradável de girar, é realmente apenas um sintoma de acrofobia. Outros sintomas podem incluir:

  • Sentir a necessidade de rastejar de quatro em quatro, ajoelhar-se ou descer imediatamente quando se está no alto do chão.
  • aumento da transpiração, dor ou aperto no peito e aumento do ritmo cardíaco à vista ou a pensar em lugares altos
  • Agitação
  • sentir-se doente ou tonto quando se vê ou pensa em alturas
  • tremores e tremores quando confrontados com as alturas
  • sentir-se tonto ou como se estivesse a cair ou a perder o equilíbrio quando se olha para cima ou para baixo de uma altura
  • sair do seu caminho para evitar alturas, mesmo que isso torne a vida quotidiana mais difícil
  • sentir pânico ao ver lugares altos ou pensar em ter de ir para um lugar alto
  • ter um medo extremo de ficar preso algures no cimo
  • sentir extrema ansiedade e medo quando se tem de subir escadas, olhar pela janela ou conduzir ao longo de um viaduto
  • preocupando-se excessivamente com as alturas a atingir no futuro
  • Sentir-se apavorado ou paralisado
  • Experimentando palpitações cardíacas
  • Chorar ou gritar
  • Um ataque de pânico completo com falta de ar
  • Dores de cabeça e tonturas quando se está no alto do chão

 


Causas da Acrofobia

O medo das alturas pode ter origem no nosso medo natural de cair e ser ferido. A dor que pode ser infligida por uma queda de um local elevado também pode contribuir para o desenvolvimento da acrofobia. É normal que as pessoas tenham alguma relutância em estar em lugares altos, mas para quem tem acrofobia, o medo é irrealista e excessivo. A acrofobia, como todas as fobias, parece ser uma hiper-reacção da resposta normal ao medo. Alguns especialistas acreditam que esta pode ser uma resposta aprendida quer a uma queda anterior quer a uma reacção nervosa dos pais às alturas.

 


Como é diagnosticada?

As fobias, incluindo a acrofobia, só podem ser diagnosticadas por um profissional de saúde mental. Pode pedir ao seu prestador de cuidados de saúde para ser encaminhado para um psiquiatra. Eles podem ajudar com o diagnóstico.

Provavelmente começarão por lhe pedir para descrever o que acontece quando se vê confrontado com as alturas. Não se esqueça de mencionar quaisquer outros sintomas de saúde mental que tenha sentido, bem como há quanto tempo tem este medo.

Geralmente, a acrofobia é diagnosticada se você:

  • evitar ativamente as alturas
  • gastar muito tempo a preocupar-se em encontrar alturas
  • descobrir que este tempo passado a preocupar-se começa a afetar a sua vida quotidiana
  • reagir com medo e ansiedade imediatos ao encontrar alturas
  • apresentar estes sintomas durante mais de seis meses

Condições Relacionadas

As condições que estão relacionadas com a acrofobia e que podem ocorrer com ela incluem:

Vertigem: A verdadeira vertigem é uma condição médica que causa uma sensação de fiação e vertigem.
Batmofobia: O medo de encostas e escadas, chamado batmofobia, está por vezes relacionado com a acrofobia. Na batmofobia, pode-se entrar em pânico ao ver uma encosta íngreme, mesmo que não haja necessidade de a subir. Embora muitas pessoas com batmofobia tenham acrofobia, a maioria das pessoas que sofrem de acrofobia também não experimentam batmofobia.

Climacofobia: Este medo está relacionado com a batmofobia, excepto que geralmente só ocorre quando se está a pensar em fazer uma escalada. Se sofre de climacofobia, provavelmente não tem medo de ver um conjunto de escadas íngremes enquanto puder permanecer em segurança no fundo. No entanto, a climacofobia pode ocorrer em conjunto com a acrofobia.

Aviofobia: Este é o medo específico de voar. Dependendo da gravidade do seu medo, pode ter medo de aeroportos e aviões, ou pode apenas sentir o medo quando está no ar.

 


Riscos

O maior perigo que a maioria das fobias apresenta é o risco de limitar a sua vida e as suas atividades para evitar a situação temida. No entanto, a acrofobia é invulgar, na medida em que ter um ataque de pânico quando se está no alto do chão pode, na realidade, levar ao perigo imaginado.

A situação pode ser segura desde que sejam tomadas as precauções normais, mas o pânico pode levá-lo a fazer movimentos inseguros.
É extremamente importante que a sua acrofobia seja tratada profissionalmente o mais rapidamente possível, especialmente se as alturas forem uma parte regular da sua vida.

 


Será que nascemos com medo das alturas?

De acordo com a perspetiva da psicologia evolutiva, os medos e fobias são inatos. Ou seja, as pessoas podem experimentar um medo de alturas sem contacto direto (ou indireto) com as alturas. Em vez disso, a acrofobia está, de alguma forma, ligada, por isso as pessoas têm esse medo antes de entrarem em contacto com as alturas.

Os psicólogos evolucionistas sugerem que as pessoas que têm medo das alturas têm mais probabilidades de escapar a esta situação potencialmente perigosa ou de a evitar completamente. Ao fazê-lo, têm mais probabilidades de sobreviver e, mais tarde, de se reproduzir, permitindo-lhes transmitir os seus genes. Os investigadores sugerem que, como resultado, este medo tem sido transmitido de geração em geração.

Mas este mecanismo não pode ser responsável por todas as fobias. As fobias inatas devem refletir objetos ou situações que tenham representado uma ameaça a longo prazo para a sobrevivência humana. Evitar o objeto ou a situação deve também aumentar as oportunidades de reprodução.

Embora a perspetiva evolutiva possa explicar fobias como o medo de alturas ou cobras, tem dificuldade em explicar as fobias associadas a ir ao dentista ou a falar em público.

 


Tratamentos possíveis para a Acrofobia

Como é tratado?

As fobias nem sempre requerem tratamento. Para alguns, evitar o objeto temido é relativamente fácil e não tem um grande impacto nas suas atividades diárias.Mas se você descobrir que os seus medos o impedem de fazer coisas que quer ou precisa de fazer – como visitar um amigo que vive no último andar de um edifício – o tratamento pode ajudar.

Terapia de exposição

A terapia da exposição é considerada um dos tratamentos mais eficazes para fobias específicas. Neste tipo de terapia, você vai trabalhar com um terapeuta para se expor lentamente ao que você tem medo.Para a acrofobia, pode começar por olhar para imagens do ponto de vista de alguém dentro de um edifício alto. Poderá ver vídeos de pessoas a atravessar cordas estreitas, a subir ou a atravessar pontes estreitas.

Eventualmente, você pode sair para uma varanda ou usar uma escada. Por esta altura, terá aprendido técnicas de relaxamento para o ajudar a vencer o seu medo nestes momentos.

Terapia cognitivo comportamental(TCC)

A TCC pode ajudar se não se sentir preparado para tentar uma terapia de exposição. Na TCC, vai trabalhar com um terapeuta para desafiar e reenquadrar pensamentos negativos sobre alturas. Esta abordagem pode ainda incluir um pouco de exposição às alturas, mas geralmente isto só é feito dentro do contexto seguro de uma sessão terapêutica.

Medicamentos

Não existem medicamentos concebidos para tratar fobias.

No entanto, alguns medicamentos podem ajudar com sintomas de pânico e ansiedade, como, por exemplo:

Beta-bloqueadores. Estes medicamentos ajudam a manter a tensão arterial e o ritmo cardíaco a um ritmo constante e a reduzir outros sintomas físicos de ansiedade.

Benzodiazepinas. Estes fármacos são sedativos. Podem ajudar a reduzir os sintomas de ansiedade, mas normalmente só são prescritos por um curto período de tempo ou para uso ocasional, pois podem ser viciantes.
D-cycloserine (DCS). Este fármaco pode aumentar os benefícios da terapia de exposição. De acordo com uma revisão bibliográfica de 2017 de 22 estudos que envolveram pessoas que viviam com várias condições relacionadas com a ansiedade, a DCS pareceu ajudar a melhorar os efeitos da terapia de exposição.

Realidade virtual

Nos últimos anos, alguns especialistas voltaram a sua atenção para a realidade virtual (RV) como um método potencial para tratar fobias.
Uma experiência de RV imersiva pode proporcionar exposição ao que você teme num ambiente seguro. A utilização de software informático dá-lhe a opção de parar imediatamente se as coisas se sentirem esmagadoras.

Um estudo de 2018 examinou os efeitos da RV em 100 pessoas com acrofobia. Os participantes só sentiram baixos níveis de desconforto durante as sessões de RV. Muitos relataram que a terapia de RV foi útil.

Embora os autores do estudo tenham notado que é necessária mais investigação no terreno, concluíram que a RV pode ser uma opção de tratamento facilmente acessível e acessível, uma vez que pode ser feita em casa.

Terapias naturais

Algumas pessoas consideram que as terapias complementares são extremamente eficazes para ajudar a ultrapassar as fobias. Os cursos de atenção, acupunctura, homeopatia, medicamentos fitoterápicos e até mesmo terapia nutricional são abordagens alternativas à saúde que podem ser úteis para melhorar o bem-estar. Não se esqueça de ter sempre em mente os profissionais de investigação e de garantir a sua formação completa. Contacte o organismo competente que rege a terapia complementar que pretende para tentar encontrar um profissional adequado perto de si.

 


Passos para enfrentar o medo das alturas

1. Prepare-se

Se sabe que vai estar numa situação que o vai expor a sintomas acrofóbicos, tome tempo para se preparar para o encontro, como o paraquedismo.Este processo é particularmente benéfico se se souber que se vai estar numa situação de medo, pois saber o que se deve esperar reduz a probabilidade de se entrar em pânico e de ficar nervoso quando a situação surgir. Este processo de planeamento ajuda a normalizar o conceito de estar em altura, ajudando-o a tornar-se mais acolhedor e confiante com eles.

2. Vá com calma

Nos velhos tempos maus, os psicólogos tratavam as fobias (literalmente, no caso de medo de nadar) atirando as pessoas para o fundo do poço. Como pode imaginar, esta técnica em particular assustava as pessoas ao ponto de causar danos permanentes. As fobias dos doentes eram consideravelmente piores no outro extremo – e, muitas vezes, o doente era sobrecarregado com traumas adicionais graves.

Na era moderna, acabámos com esse método. Os psicólogos esclarecidos ainda recomendam que as pessoas enfrentem o seu medo, mas que o abordem com firmeza, ao seu próprio ritmo. Para prosseguir, estabeleça pequenos objetivos – como, por exemplo, trabalhar diariamente um centímetro mais perto de um determinado corrimão de varanda. O sucesso acontece mais cedo do que se pensa.

3. Visualize o sucesso

De olhos fechados, visualize em detalhe todas as precauções de segurança que o rodeiam na situação em que está prestes a entrar. Sinta a solidez da barreira; sinta o abraço reconfortante do arnês; no olho da sua mente, deslize a sua mão ao longo do corrimão. Deixe estes sentimentos afundarem-se no seu subconsciente, onde eles o podem ajudar quando o seu coração começar a bater.

4. Respire

Situações indutoras de ansiedade têm a tendência inquietante de fazer as pessoas esquecerem de respirar – e não respirar torna a ansiedade muito pior. Assegure-se de que recebe bastante oxigénio no cérebro, respirando profunda e regularmente.

5. Tenha calma consigo mesmo

A acrofobia não se dissolve num dia. Dê a si próprio o tempo e o espaço de que necessita para trabalhar neste desafio, sem pressão ou julgamento. Seja tão gentil consigo mesmo como seria com um amigo querido e permita que um eu menos acrofóbico se desenvolva organicamente. Você deve a si mesmo essa auto bondade.

6. Prática de técnicas de relaxamento

Batimento cardíaco rápido, respiração curta, transpiração excessiva – todos estes são sintomas comuns associados ao medo das alturas, e sentir estes sintomas pode aumentar o medo e o pânico.

As técnicas de relaxamento podem ajudar a minimizar estes sintomas e a mantê-los sob controlo. Os exercícios de respiração profunda são uma das técnicas mais simples de praticar e podem realmente ajudá-lo a sentir-se mais relaxado. Também é benéfico ter algo para se concentrar em fazer, em vez de se concentrar no seu medo.

7. Descubra as suas crenças

Tente compreender o que são as alturas que lhe causam ansiedade, fazendo perguntas a si próprio e escrevendo as suas respostas. O que você teme que possa acontecer quando você está em alturas que considera elevadas? Qual é a probabilidade de que isso aconteça? O que precisaria de experimentar para deixar de acreditar nisso?

8. Racionalizar o seu medo

Com a acrofobia, o medo é muitas vezes desencadeado em situações que não são racionais. Como exemplo, pode ser o medo de estar no último andar de um edifício seguro, apesar de ser extremamente seguro e de as hipóteses de a situação resultar em danos serem muito improváveis.

Uma vez desenvolvido um medo, é fácil ficar ansioso e esquecer a segurança de certas situações. Pode ser realmente fácil pensar irracionalmente e alimentar o seu medo. Para se opor a isto, tente fazer um esforço consciente para considerar as situações que provocam o seu medo das alturas e racionalizá-las. Explique a si mesmo que não há necessidade de ter medo da altura e que você está extremamente seguro. Esta tranquilidade pode realmente ajudá-lo a trabalhar para superar o seu medo das alturas.

9. Exposição gradual ao medo

Enfrente os seus medos – é um cliché que muitas vezes é incorporado em citações e discursos motivacionais, mas há uma importância quando se trata de superar um medo de altura, pois a exposição ao medo ajuda a dessensibilizar a si próprio para o gatilho.
Uma grande forma de usar isto para superar o medo das alturas é expor-se gradualmente às alturas com que se debate. Comece baixo – comece com uma caminhada até ao fundo de uma colina e construa-se a si próprio para caminhar cada vez mais alto. Alternativamente, podes fazer isto com um edifício de vários andares, subindo gradualmente um nível! Este método de exposição gradual leva tempo, mas eventualmente, você estará no topo da colina e será capaz de fazer algo que você nunca pensou ser capaz de fazer.


Isenção de responsabilidade

Este Guia é fornecido apenas como informação geral. Não substitui o aconselhamento médico ou de saúde profissional e independente, adaptado às suas circunstâncias específicas. Se você estiver a lutar com dificuldades psicológicas, nós encorajamo-lo a procurar ajuda de uma fonte profissional.

Referências

  1. Juan, M. C.; et al. (2005). “An Augmented Reality system for the treatment of acrophobia” (PDF)
  2. Bles, Willem; Kapteyn, Theo S.; Brandt, Thomas; Arnold, Friedrich (1980-01-01). “The Mechanism of Physiological Height Vertigo: II. Posturography”. Acta Oto-Laryngologica.
  3. Whitney, Susan L.; Jacob, Rolf G.; Sparto, Patrick J.; Olshansky, Ellen F.; Detweiler-Shostak, Gail; Brown, Emily L.; Furman, Joseph M. (May 2005). “Acrophobia and pathological height vertigo: indications for vestibular physical therapy?”. Physical Therapy.
  4. Jacob, Rolf G; Woody, Shelia R; Clark, Duncan B.; et al. (December 1993). “Discomfort with space and motion: A possible marker of vestibular dysfunction assessed by the situational characteristics questionnaire”. Journal of Psychopathology and Behavioral Assessment.
  5. Baker, Bruce L.; Cohen, David C.; Saunders, Jon Terry (February 1973). “Self-directed desensitization for acrophobia”. Behaviour Research and Therapy
  6. LABPSITEC. «Acrofobia»Universidad Jaume I.
Margarida Reis
Latest posts by Margarida Reis (see all)
Written By
More from Margarida Reis

Vantagens e Desvantagens de uma Monarquia

As Vantagens e Desvantagens de uma Monarquia Uma monarquia é uma forma...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *