Ablutofobia – Medo de Tomar Banho: Causas, Sintomas e Tratamentos

Ablutofobia - Medo de Tomar Banho

Tudo Sobre: Ablutofobia – Medo De Tomar Banho

A ablutofobia é uma fobia específica em que os indivíduos têm um medo irracional de tomar banho ou de se lavar. Pode afectar crianças e adultos e é mais comum nas mulheres do que nos homens.

As pessoas com fobias específicas sabem que os seus medos não são realistas, mas são incapazes de os enfrentar. Em vez disso, esforçam-se por evitar o que as faz ter medo.

Neste artigo, analisamos a definição de ablutofobia e os sintomas que ela provoca. Também examinamos os diferentes tratamentos que podem ajudar as pessoas com a condição a viverem vidas mais convencionais.



O que é Ablutofobia?

A ablutofobia, ou medo de tomar banho, é uma fobia relativamente invulgar, mas grave que parece ser mais prevalecente em mulheres e crianças.

A ablutofobia, como todas as fobias, é uma perturbação de ansiedade. É clinicamente conhecida como uma fobia específica, que é um medo excessivo ou não razoável de um objeto, ou situação. Pode manifestar-se de muitas formas, desde o medo de tomar banho até uma fobia completa de todas as lavagens.


Causas da Ablutofobia

Como todas as fobias específicas, um evento traumático do passado é geralmente o desencadeador da ablutofobia, embora você possa ou não lembrar-se conscientemente disso. Como desenvolveu a ablutofobia?

Um evento traumático do passado pode ter-lhe acontecido a si, a um familiar ou mesmo a alguém num filme, ou num programa de televisão. Por exemplo, alguns fãs de filmes de terror afirmam ter medo de tomar banho depois de verem o “Psico” de Alfred Hitchcock.

Este distúrbio de ansiedade também pode desenvolver-se a partir dos medos de outras pessoas. Se um pai ou um familiar próximo tivesse o mesmo medo, poderia ter interiorizado as reações dessa pessoa na infância.

Muitas crianças tentam evitar a hora do banho, seja devido ao medo ou à simples preferência. É possível que a sua aversão infantil tenha transitado para a sua vida adulta.

 


Consequências da Ablutofobia

A ablutofobia pode causar isolamento social e baixa auto estima. Em alguns casos, pode desenvolver-se a dependência do álcool ou da droga.

As pessoas que evitam tomar banho devido à ablutofobia podem entrar em problemas no trabalho ou na escola e podem ficar socialmente isoladas e deprimidas.

A sua auto imagem e auto estima podem sofrer. As crianças com a ablutofobia podem enfrentar um maior risco de bullying, sobretudo quando se aproximam da adolescência. Existe o risco de alguns indivíduos tentarem lidar com o seu medo de drogas ou álcool, o que pode levar a problemas de dependência química.

 


Sintomas da ablutofobia

A própria ideia de tomar banho, lavar ou limpar pode provocar falta de ar, náuseas e pensamentos enevoados no fóbico. Como resultado, o indivíduo não pode limpar a casa, lavar a roupa, ou tomar banho. Em casos extremos, os indivíduos vivem em circunstâncias muito sujas e pouco higiénicas, devido às quais podem tornar-se susceptíveis a doenças. Alguns ablutofóbicos têm um medo profundo da água. Temem que lhes aconteça algum mal se a água lhes tocar na pele. A maioria tem medo de que a água quente ou fria lhes toque o corpo. A ablutofobia também se estende ao banho e à natação. O indivíduo evita torneiras, piscinas, oceanos e outros corpos de água, banhos, chuveiros, e água em geral.

Os sintomas físicos desta fobia incluem:

  • Hiperventilação
  • Palpitações
  • Tremor
  • Transpiração
  • Tonturas
  • Afrontamentos ou calafrios
  • Entorpecimento ou formigueiro
  • A sensação ou o medo de asfixia ou náusea

Os sintomas psicológicos incluem:

  • Despersonalização ou despersonalização onde o fóbico já não compreende o que se passa. Perdem o contacto com a realidade e ficam literalmente com uma sensação de “fora do corpo”.
  • Medo de desmaiar
  • Pensamentos de morte ou morte
  • Perda de controlo ou medo de perder o juízo
  • O comportamento evasivo induzido pela fobia é visto em Ablutofobóbicos. Muitos perdem os seus amigos e familiares devido ao seu estilo de vida pouco higiénico. Assim, o indivíduo sofre em muitos aspetos da vida.

 


Complicações da Ablutofobia

A limpeza e a higiene são algumas das principais prioridades do mundo moderno e o facto de não tomar um duche diário pode fazer com que pareça ou cheire “impuro”, o que é geralmente considerado inaceitável.

Não lavar regularmente o corpo pode ter consequências negativas, como por exemplo:

  • Problemas no trabalho ou na escola e nas suas relações pessoais
  • Isolamento, podendo levar à fobia social ou mesmo à agorafobia
  • Um risco mais elevado de desenvolvimento de perturbações da imagem corporal

Além disso, a higiene pessoal é um primeiro passo para evitar doenças.4 Permitir que a sujidade e as bactérias permaneçam na pele e no cabelo durante longos períodos pode aumentar o risco de doenças comuns e raras. Isto é particularmente verdade se a sua fobia o leva a evitar lavar as mãos depois de usar a casa de banho ou ao preparar os alimentos.

 


Como é diagnosticada?

Se pensa que tem ablutofobia, consulte o seu médico de cuidados primários. O seu médico poderá determinar se tem alguma lesão ou doença física que possa estar a causar a ablutofobia.
Se o seu médico determinar que se trata de um distúrbio de ansiedade, será encaminhado para um profissional de saúde mental.
O profissional de saúde mental começará com uma entrevista clínica. Irá perguntar-lhe sobre a sua formação médica e psiquiátrica, bem como sobre a sua história social e familiar. Através desta entrevista, eles utilizarão critérios de diagnóstico para fazer um diagnóstico final.

 


Tratamentos para a Ablutofobia (medo de tomar banho, lavar ou limpar)

Como a maioria das fobias específicas, as técnicas de terapia cognitivo-comportamental fazem frequentemente parte de um plano de tratamento para a ablutofobia.  O seu terapeuta irá provavelmente encorajá-lo a examinar o seu medo e a substituir a sua conversação interna negativa por mensagens mais apropriadas. Ela poderá dar-lhe trabalhos de casa que envolvam dar passos de bebé, como ligar o chuveiro e sentar-se na casa de banho com ele a correr.

O objetivo da terapia é que pratique o relaxamento e use a sua auto-conferência recentemente aprendida para acalmar os seus medos enquanto confronta lentamente o objecto da sua fobia. Se estiver extremamente ansioso, o seu médico pode prescrever-lhe medicamentos ou sugerir-lhe hipnose para o ajudar a controlar o medo.

A ablutofobia é altamente tratável por profissionais treinados mas quase impossível de superar por si mesmo.

Na maioria das fobias, a terapia de exposição ajuda. O fóbico é gradualmente exposto ao objecto ou situação que ele ou ela teme, neste caso, água ou banho, de forma segura e controlada. Naturalmente, a Ablutofobia não toma banho enquanto o terapeuta está presente, pelo que a PNL e a terapia de exposição à realidade virtual podem ajudar.

Programação neuro-linguística

A PNL ou a programação neurolinguística requer pouco tempo e menos gastos, pelo que é uma forma ideal de terapia para a maioria dos fóbicos. A terapia é baseada na recodificação da forma como o cérebro do indivíduo responde aos estímulos, neste caso, à lavagem/limpeza. Ela modela padrões de comportamento bem sucedidos para que eles possam ser replicados. A PNL também se enraíza nos processos de autoconsciencialização e pensamento do indivíduo.

Terapia cognitiva comportamental

Outra terapia para a ablutofobia é a TCC ou terapia cognitiva comportamental. Esta terapia visa identificar e encontrar ligações entre os padrões de pensamento do indivíduo, o estímulo do medo, os seus sentimentos e comportamentos, com o objetivo de lhe dar competências práticas para gerir os padrões que podem estar a causar os problemas. A melhor parte da TCC é que pode ser oferecida através de programas de computador ou de livros de exercícios e também se podem realizar sessões com um terapeuta. Esta forma de terapia é altamente benéfica, uma vez que a ablutofobia é mais vivida em casa quando o terapeuta não pode estar presente, como durante a hora do banho.

Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) é um termo geral para uma série de terapias que enfatiza o papel do pensamento e da autoconsciência nos pensamentos, ações e emoções de uma pessoa. A Terapia Cognitivo-Comportamental centra-se na identificação e correção de padrões de pensamento mal-adaptados, e engloba características da terapia cognitiva, terapia comportamental racional e outras abordagens terapêuticas.

As sessões de Terapia Cognitivo-Comportamental são concebidas para levar o paciente a uma consciência e compreensão dos pensamentos negativos que o podem estar a impedir de atingir o seu maior potencial. A Terapia Cognitivo-Comportamental não é um processo aberto ou contínuo; as sessões de terapia cognitivo-comportamental são normalmente concebidas para terminar após 12 a 15 reuniões.

Durante as sessões de Terapia Cognitivo-Comportamental, o terapeuta e o paciente trabalham em conjunto para atingir objetivos definidos relacionados com as questões com que o paciente está a lidar. O Terapeuta Cognitivo-Comportamental irá ajudar o paciente a identificar problemas, avaliar respostas passadas e desenvolver e avaliar soluções futuras mais produtivas.

O objetivo final da Terapia Cognitivo-Comportamental é preparar o cliente para assumir um papel mais ativo, positivo e responsável na sua vida, e responder a contratempos e desafios de uma forma saudável e produtiva.

A terapia cognitivo-comportamental baseia-se na ideia de que os nossos pensamentos causam os nossos sentimentos e comportamentos, não coisas externas, como pessoas, situações e eventos. O benefício deste facto é que podemos mudar a forma como pensamos sentir/agir melhor, mesmo que a situação não mude.

A Terapia Cognitivo-Comportamental pode levar a uma série de benefícios, incluindo os seguintes:

  • Identificação de pensamentos e emoções negativas
  • Prevenir a recaída do vício
  • Gerir a raiva
  • Lidar com a dor e a perda
  • Gestão da dor crónica
  • Superar as perturbações do sono
  • Resolução de dificuldades de relacionamento
  • Ultrapassar fobias

Uma pessoa com uma fobia acredita que a situação temida é intrinsecamente perigosa. Esta crença leva a pensamentos automáticos negativos que ocorrem assim que a situação temida é encontrada e os pensamentos automáticos levam a uma reação fóbica comportamental.

A terapia cognitiva comportamental, ou TCC, permite-lhe gerir os seus medos ajudando-o a mudar gradualmente a sua forma de pensar. É baseada na interligação de pensamentos, crenças, sentimentos e comportamentos.

Podem ser necessárias várias sessões de TCC para contrariar este padrão de pensamento. Para o conseguir, o terapeuta pode ajudá-lo a ultrapassar os seus medos com passos incrementais.

Terapia de dessensibilização e exposição

A terapia de dessensibilização/exposição é outro método de tratamento da Ablutofobia. Esta baseia-se na exposição repetida à situação de medo, neste caso a lavagem e o banho, até que o Ablutofóbico se sinta em controlo sobre o medo.

A terapia da exposição é um tratamento psicológico que foi desenvolvido para ajudar as pessoas a enfrentar os seus medos. Quando as pessoas têm medo de algo, tendem a evitar os objetos, atividades ou situações temidas. Embora esta evasão possa ajudar a reduzir os sentimentos de medo a curto prazo, a longo prazo, pode fazer com que o medo se torne ainda pior. Nessas situações, um psicólogo pode recomendar um programa de terapia de exposição para ajudar a quebrar o padrão de evasão e medo. Nesta forma de terapia, os psicólogos criam um ambiente seguro para “expor” as pessoas às coisas que elas temem e evitam. A exposição aos objetos, atividades ou situações temidas num ambiente seguro ajuda a reduzir o medo e a diminuir a evasão.

A terapia da exposição foi cientificamente demonstrada como um tratamento ou componente de tratamento útil para uma série de problemas, incluindo:

  • Fobias
  • Distúrbio de Pânico
  • Transtorno de Ansiedade Social
  • Transtorno Obsessivo-Compulsivo
  • Transtorno de Stress Pós-Traumático
  • Transtorno de Ansiedade Generalizada

Existem várias variações na terapia de exposição. O seu psicólogo pode ajudá-lo a determinar qual é a melhor estratégia para si. Estas incluem:

A exposição ao vivo: Enfrentar diretamente um objeto temido, situação ou atividade na vida real. Por exemplo, alguém com medo de cobras pode ser instruído a lidar com uma cobra, ou alguém com ansiedade social pode ser instruído a fazer um discurso em frente a uma audiência.
Exposição imaginária: Imaginar vividamente o objeto, situação ou atividade temida. Por exemplo, alguém com Distúrbio de stress Pós-Traumático pode ser solicitado a recordar e descrever a sua experiência traumática, a fim de reduzir os sentimentos de medo.
Exposição à realidade virtual: Em alguns casos, a tecnologia da realidade virtual pode ser utilizada quando a exposição in vivo não é prática. Por exemplo, alguém com medo de voar pode fazer um voo virtual no consultório do psicólogo, utilizando equipamento que fornece as vistas, sons e cheiros de um avião.
Exposição intraceptiva: Trazendo deliberadamente sensações físicas que são inofensivas, mas temidas. Por exemplo, alguém com distúrbio de pânico pode ser instruído a correr no lugar para fazer o seu coração acelerar, e assim aprender que essa sensação não é perigosa.

A terapia da exposição também pode ser ritmada de diferentes maneiras. Entre elas, a terapia de exposição pode ser ritmada de diferentes maneiras:

Exposição gradual: O psicólogo ajuda o cliente a construir uma hierarquia de medo de exposição, na qual objetos, atividades ou situações temidas são classificadas de acordo com a dificuldade. Eles começam com exposições moderada ou moderadamente difíceis e depois avançam para exposições mais difíceis.
Inundações: Usando a hierarquia de medo da exposição para começar a exposição com as tarefas mais difíceis.
Dessensibilização sistemática: Em alguns casos, a exposição pode ser combinada com exercícios de relaxamento para que se sintam mais manejáveis e para associar os objetos, atividades ou situações temidas ao relaxamento.

A terapia da exposição é pensada para ajudar de várias maneiras, incluindo:

Habituação: Com o tempo, as pessoas descobrem que as suas reações aos objetos ou situações temidas diminuem.
Extinção: A exposição pode ajudar a enfraquecer as associações previamente aprendidas entre objetos, atividades ou situações temidas e maus resultados.
Auto-eficácia: A exposição pode ajudar a mostrar ao cliente que ele é capaz de enfrentar os seus medos e pode gerir os sentimentos de ansiedade.
Processamento emocional: Durante a exposição, o cliente pode aprender a associar novas crenças mais realistas sobre objetos, atividades ou situações temidas, e pode ficar mais confortável com a experiência do medo.

Hipnose

A hipnose é outra forma de tratar a ablutofobia. Chega à causa raiz do medo e “reprograma” a mente do fóbico para mudar a resposta ao banho ou à lavagem. Em casos graves, quando a ablutofobia está a afetar gravemente a vida do indivíduo, o médico pode complementar com medicamentos para tratar o medo.

Medicação

Os medicamentos podem, por vezes, ser utilizados para tratar fobias específicas. Este é especialmente o caso quando outras formas de terapia têm sido ineficazes, ou quando alguém tem outras questões psiquiátricas que requerem um tratamento separado.
Podem ser prescritos medicamentos antiansiedade, como benzodiazepinas, e antidepressivos, incluindo inibidores seletivos da recaptação de serotonina (IRSS), para aliviar os sintomas.

Meditação

A meditação permite reconhecer pensamentos e sentimentos sem ter uma reação emocional aos mesmos. Focaliza-se numa palavra positiva ou numa cena calma na sua mente, e depois senta-se como um observador desligado da sua própria mente e corpo. Quando qualquer outro pensamento ou sensação passa por si, você rotula-o em vez de responder a ele.

A prática rotineira da meditação também treina a sua mente para viver o presente. As fobias resultam de eventos passados, e a ansiedade é muitas vezes uma resposta ao medo de um futuro imediato ou distante. Quando você se concentra no presente – ou vive no agora – a sua amígdala encontra menos razões para se ativar.

Se a pessoa com claustrofobia praticasse isto regularmente, poderia aprender a observar imediatamente as suas reações emocionais e físicas com palavras, por exemplo, “palmas das mãos suadas” e “sentimentos de medo”, e depois permitir que continuassem sem se preocupar com a sua mente. E como ela reforça a sua capacidade e tendência para se concentrar apenas no presente, ela melhora a sua capacidade de estar diante de estímulos indutores de pânico sem associá-lo a um evento passado negativo.

A prática contínua da meditação ajuda-o a processar medos irracionais e a vida quotidiana através do córtex pré-frontal, o que, por sua vez, pode reduzir ou mesmo prevenir o início de respostas emocionais angustiantes. À medida que a pessoa fóbica aumenta a sua capacidade de meditar e gradualmente se expõe ao objeto do medo, ela ensina a sua amígdala a responder apenas quando necessário.

Terapia Familiar

Se a terapeuta sentir que a sua situação familiar pode estar a contribuir para o desenvolvimento ou progressão da fobia, pode sugerir uma terapia familiar como parte de um plano de tratamento.

Uma aplicação particularmente comum da terapia familiar coloca o terapeuta no papel de facilitar uma ou mais sessões de comunicação entre os membros da família. A terapia familiar é uma parte comum dos planos de tratamento para crianças com fobias.


 

Referências

  1. Adriano Purgato (2006). Fobie. Le nuove ossessioni del XXI secolo. Castelvecchi. p. 111.
  2. IGOR RAFAILOV. Dicionario Igor de Fobias. Forum de Fobias. p. 27.
  3. An Excess of Phobias and Manias. Senior Scribe Publications. 2003. p. 8
  4. Oxford University PressPrint Publication Date: 2008 Print ISBN-13: 9780199534067
  5. Anxiety Disorders The State of Mental Illness and Its Ther, Shirley Brinkerhoff
Margarida Reis
Latest posts by Margarida Reis (see all)
Written By
More from Margarida Reis

Tudo Sobre: Aviofobia – O Medo De Voar

Tudo Sobre o Medo de Voar A Aviofobia: Os motores rugem, o...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *