As Vantagens e Desvantagens dos Blocos Económicos

Os Prós e Contras dos Blocos Económicos

Um bloco comercial é um grupo de países que reduziram ou eliminaram as barreiras comerciais para os seus participantes. Os blocos comerciais são uma forma de integração económica e constituem cada vez mais a estrutura do comércio mundial. Para formar um bloco comercial, os países celebram tratados internacionais.

Normalmente, os blocos comerciais têm os seus próprios organismos administrativos e regulamentares. Alguns blocos comerciais fixam igualmente objetivos políticos. O objetivo dos blocos comerciais é libertar o comércio das medidas protecionistas e criar um ambiente propício ao comércio entre os membros.

A Organização Mundial do Comércio (OMC) permite a existência de blocos comerciais, desde que estes resultem numa menor proteção contra países terceiros do que existia antes da criação do bloco comercial. Como qualquer outra forma de processo de integração, o bloco comercial tem as suas próprias vantagens e desvantagens.


 

O que são blocos económicos

Os blocos comerciais são grupos de países que formam acordos comerciais entre si. Os blocos comerciais podem incluir

Zonas de comércio livre – eliminação dos direitos aduaneiros entre as economias do bloco comercial
União aduaneira – zona de comércio livre + uma pauta externa comum com os não-membros
União Económica/Mercado Único – União Aduaneira + regras e regulamentos comuns.

Quando os países formam um bloco comercial, formam uma equipa para beneficiar as economias uns dos outros. Os blocos comerciais são grupos de países que se oferecem uns aos outros melhores negócios comerciais do que o resto do mundo. O acordo pode variar entre tarifas mais baixas e algo tão complexo como a União Europeia (UE), em que os países membros funcionam como um mercado comum único.

 

Diferentes tipos de blocos comerciais

Zona de Comércio Livre

Dois ou mais países formam uma zona de comércio livre em que as barreiras comerciais entre os países são abolidas, mas cada país mantém os seus próprios direitos aduaneiros em relação a países terceiros. Por exemplo, o Acordo de Comércio Livre Norte-Americano (NAFTA) entre os EUA, o Canadá e o México criou uma zona de comércio livre.

União Aduaneira

Uma união aduaneira é como uma zona de comércio livre, exceto que os países membros mantêm uma pauta comum contra países não membros.

O mercado comum

Um mercado comum é como uma união aduaneira, mas existe um livre fluxo de fatores de produção entre os países. Ex: Não são necessárias autorizações para trabalhar num outro país membro.

União Económica

Uma União Económica tem as mesmas vantagens que um mercado comum, mas existe um sistema fiscal comum e emprega a mesma moeda. Por exemplo, a União Europeia é uma união económica.


 

Criação de comércio

As eliminações das barreiras comerciais para os países membros aumentam a produção e o consumo internos. O produtor mais eficiente produz, conduzindo a um menor desperdício de recursos escassos. Isto é criação de comércio.

Desvio do comércio

Quando se forma um bloco comercial, talvez se aplique uma tarifa externa aos países terceiros, tornando alguns bens que inicialmente eram mais baratos, agora mais caros. Assim, o país membro pode começar a importar de outros países membros, uma vez que o preço se torna artificialmente mais barato do que comprar ao país não membro anterior. Isto conduz a um desvio do comércio.


 

Exemplos de blocos comerciais globais

União Europeia – O bloco comercial mais integrado. A UE-27 tem comércio livre e regulamentos comuns e faz parte de uma união aduaneira.

NAFTA – Associação de Comércio Livre do Atlântico Norte. Uma zona de comércio livre entre o Canadá, os EUA e o México.

Zona de comércio livre da ASEAN Zona de comércio livre no Sudeste Asiático fundada em 1992. Inclui: Brunei, Indonésia, Malásia, Filipinas, Singapura e Tailândia, Vietname, Laos, Mianmar e Camboja.

Zona de comércio livre SAFTA da Ásia do Sul, com sede em torno do subcontinente indiano. Inclui: Afeganistão, Bangladesh, Butão, Índia, Maldivas, Nepal, Paquistão e Sri Lanka.

Mercosul – um bloco comercial sul-americano formado em 1991. Inclui membros de pleno direito da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai. Com membros associados incluindo a Bolívia, Chile, Colômbia, Equador. Desenvolvido a partir de uma zona de comércio livre para se tornar uma união aduaneira.

União Africana – 55 países do continente africano. Criada para forjar laços políticos e económicos mais estreitos. Tem aspirações para se tornar uma zona de comércio livre.


✔️ Vejamos agora as vantagens dos Blocos Económicos ✔️


 

👍 Vantagem: O aumento das trocas comerciais permite uma maior especialização

O que traz benefícios de economias de escala (custos médios mais baixos do aumento da produção).

 

👍 Vantagem: Efeitos comerciais

Não há inclusão de direitos aduaneiros, pelo que os custos de importação são reduzidos. Por este motivo, verifica-se uma alteração da procura. Os clientes fazem compras com base em preços baixos e permitem que as empresas com um benefício na produção prosperem.

 

👍 Vantagem: Eficiência do Mercado

Um sentido ascendente para o consumo experimentado com a mudança da procura dá uma combinação da enorme quantidade de bens produzidos, resultando num mercado eficiente.

 

👍 Vantagem: Efeitos de captação

Os países que aderem a um bloco comercial rico podem beneficiar do investimento interno e de maiores oportunidades comerciais. Os países da Europa Oriental fizeram progressos consideráveis na recuperação dos níveis médios de rendimento na Europa Ocidental.
A teoria da gravidade do comércio sugere que o comércio com países muito próximos é o mais importante, devido à diminuição dos transportes e a laços culturais e económicos semelhantes.

 

👍 Vantagem: Aumento da concorrência

A supressão das tarifas cria uma maior escolha para os consumidores. Por conseguinte, as empresas nacionais têm um maior incentivo para reduzir os custos a fim de se manterem competitivas.

 

👍 Vantagem: Comércio livre no interior do bloco

Sabendo que têm livre acesso aos mercados uns dos outros, os membros são encorajados a especializar-se. Isto significa que, a nível regional, existe uma aplicação mais ampla do princípio da vantagem comparativa.

 

👍 Vantagem: Acesso aos mercados e criação de comércio

O acesso mais fácil aos mercados uns dos outros significa que o comércio entre os membros é suscetível de aumentar. Existe criação de comércio quando o comércio livre permite que os produtores nacionais com custos elevados sejam substituídos por importações mais eficientes e de menor custo. Uma vez que as importações a baixos custos conduzem a importações a preços mais baixos, existe um “efeito de consumo”, sendo o aumento da procura resultante de preços mais baixos.

 

👍 Vantagem: Empregos

Podem ser criados postos de trabalho em consequência do aumento do comércio entre as economias membros.

 

👍 Vantagem: Proteção

As empresas do bloco estão protegidas contra importações mais baratas do exterior, tais como a protecção da indústria de calçado da UE contra importações baratas da China e do Vietname.

 

👍 Vantagem: Dimensão do Mercado

Um aumento do investimento direto estrangeiro resulta de blocos comerciais e beneficia as economias das nações participantes. Aumenta os investimentos locais, uma vez que o bloco comercial aumenta a dimensão global dos mercados para as empresas.

 

👍 Vantagem: Tecnologia

O comércio aberto conduz a uma transferência mais rápida de tecnologia através das fronteiras.

 


❌ Vejamos agora as desvantagens dos Blocos Económicos ❌


 

👎 Desvantagem: Perda de benefícios

Perdem-se os benefícios do comércio livre entre países de blocos diferentes.

 

👎 Desvantagem: Distorção do comércio

Os blocos comerciais são suscetíveis de distorcer o comércio mundial e reduzir os efeitos benéficos da especialização e da exploração da vantagem comparativa.

 

👎 Desvantagem: Ineficiências e desvio do comércio

Os produtores ineficientes dentro do bloco podem ser protegidos dos produtores mais eficientes fora do bloco. Por exemplo, os agricultores europeus ineficientes podem ser protegidos das importações a baixo custo dos países em desenvolvimento. O desvio do comércio surge quando o comércio é desviado de produtores eficientes que estão sediados fora da zona de comércio.

 

👎 Desvantagem: Retaliação

O desenvolvimento de um bloco comercial regional é suscetível de estimular o desenvolvimento de outros. Isto pode conduzir a litígios comerciais, como os que existem entre a UE e a NAFTA, incluindo o recente litígio Boeing (EUA)/Airbus (UE). A UE e os EUA têm uma longa história de litígios comerciais, incluindo o litígio sobre as pautas aduaneiras do aço dos EUA, que foram declarados ilegais pela OMC em 2005.

Além disso, existem as chamadas guerras da carne de bovino, com os EUA a aplicarem direitos aduaneiros de 60 milhões de libras esterlinas à carne de bovino da UE, em resposta à proibição da UE de carne de bovino americana tratada com hormonas; e as queixas apresentadas à OMC sobre o generoso apoio agrícola recíproco.

Durante os anos 70, muitas antigas colónias britânicas formaram os seus próprios blocos comerciais em reação à adesão do Reino Unido ao mercado comum europeu.

Maior interdependência em relação ao desempenho económico de outros países no bloco comercial
Se a zona euro entrar em recessão, esta afetará todos os países da zona euro. No entanto, isto é quase inevitável mesmo que os países não se encontrem formalmente num bloco comercial devido a uma relação estreita entre os ciclos comerciais dos diferentes países.

 

👎 Desvantagem: Aumento da influência das multinacionais

O comércio livre pode ser feito ao preço de permitir a livre circulação de capitais. Isto pode ter vantagens em termos de investimento interno. Mas pode também ter custos para os produtores nacionais com custos mais elevados. O comércio livre pode conduzir ao desemprego estrutural, à medida que os recursos passam de indústrias não competitivas para indústrias mais recentes.


 

Os Blocos Económicos e a Globalização

Os blocos comerciais são grupos de nações que formam uma união económica ou uma zona de comércio livre. Por exemplo, os blocos comerciais são grupos de nações que formam uma união económica ou uma zona de comércio livre:

A União Europeia visa não só uma união aduaneira, mas também uma união económica e monetária – harmonização dos impostos / moeda única e política monetária comum.

A NAFTA é a Associação de Comércio Livre do Atlântico Norte (EUA, México e Canadá).
Zona de Comércio Livre do Sul da Ásia (SAFTA) Uma zona de comércio livre de 1,6 mil milhões de pessoas no Afeganistão, Bangladesh, Butão, Índia, Maldivas, Nepal, Paquistão e Sri Lanka.
Zona de Comércio Livre da ASEAN (AFTA Brunei, Indonésia, Malásia, Filipinas, Singapura e Tailândia). O Vietname aderiu em 1995, o Laos e Mianmar em 1997 e o Camboja.

A globalização refere-se ao fenómeno de maior integração e interdependência das economias nacionais. A globalização refere-se à forma como as barreiras económicas entre países estão a ser eliminadas, permitindo mais comércio e a livre circulação de trabalhadores e capitais.

Os blocos comerciais como a UE aceleram efetivamente este processo. A UE alargou-se a mais de 26 países e conta com uma população total de 356 milhões de habitantes. Na UE, registou-se uma integração acentuada das economias nacionais. O comércio entre os membros tem aumentado. Verificou-se também uma maior circulação de capitais e de mão-de-obra. (por exemplo, a imigração da Polónia de muitos trabalhadores para o Reino Unido e a Irlanda). Dentro da UE, houve também uma moeda única e uma política monetária única adotada por 11 membros.

Além de uma maior integração entre os membros de um bloco comercial. Argumenta-se que os blocos comerciais ajudam a globalização, facilitando as negociações globais. Por exemplo, no caso das negociações comerciais. A UE negociará como um bloco comercial único, o que facilitará a adoção de práticas que aumentem o comércio livre.

No entanto, os blocos comerciais não ajudam muitas vezes o processo de globalização. Por exemplo, a PAC da UE implicou direitos aduaneiros elevados sobre as importações de produtos alimentares e o dumping de produtos alimentares excedentários nos mercados mundiais.

Em vez de conduzir a uma maior globalização, argumenta-se que os blocos comerciais criam partes conflituosas que lutam por interesses regionais.


 

Segue-se uma lista, por ordem alfabética, dos vários blocos económicos, sindicatos, tratados e acordos que facilitam o comércio transnacional na região da Ásia e do Pacífico e no mundo.

Blocos Comerciais e Sindicatos Regionais

  • AEC: Comunidade Económica da ASEAN
  • APEC: Cooperação Económica Ásia-Pacífico
  • ASEAN: Associação das Nações do Sudeste Asiático
  • BRICS: Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul
  • CAN: Comunidade Andina (CAN (Bolívia, Colômbia, Equador e Peru)
  • CACM: Mercado Comum Centro-Americano ou Mercado Común Centroamericano (MCCA) em espanhol, associação de cinco nações centro-americanas, incluindo Guatemala, Honduras, El Salvador, Nicarágua e Costa Rica. Formado para facilitar o desenvolvimento económico regional através do comércio livre e da integração económica.
  • CARICOM: Comunidade das Caraíbas e Mercado Comum
  • CEMAC: Comunidade Monetária da África Central (Communauté Économique et Monétaire de l’Afrique Centrale Economice)
  • COMESA: Mercado Comum da África Oriental e Austral
  • ECO: A Organização de Cooperação Económica (ECO) é um bloco de dez países da Ásia Central e Ocidental: Afeganistão, Azerbaijão, Irão, Cazaquistão, Quirguizistão, Paquistão, Tajiquistão, Turquia, Turquemenistão e Uzbequistão,
  • UE: União Europeia
  • ALCA: Área de Comércio Livre das Américas
  • MCCA (Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras e Nicarágua)
  • MERCOSUL: Mercado Comum do Sul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai)
  • NAU: União Norte-Americana
  • SADC: Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral
  • SAARC: Associação para a Cooperação Regional da Ásia do Sul
  • UNASUL: União das Nações Sul-Americanas
  • UEMOAO: União Económica e Monetária da África Ocidental
  • OMC: Organização Mundial do Comércio

Reuniões, Tratados e Acordos

  • ABMI: Iniciativa do Mercado Asiático de Obrigações
  • ASRT: Asian Solanaceous Round Table (reunião anual)
  • ASC: Asian Seed Congress (APSA)
  • AFTA: Acordo de Comércio Livre da ASEAN
  • ACSS: ASTA Corn, Sorghum & Soybean (Conferência)
  • CDB: Convenção sobre a Diversidade Biológica (Assinada em 5 de Junho de 1992 no Rio de Janeiro)
  • ACL: Acordo de Comércio Livre
  • FTAAP: Zona de Comércio Livre da Ásia-Pacífico
  • GAM: Reunião da Assembleia Geral (APSA)
  • GATT: Acordo Geral sobre Pautas Aduaneiras e Comércio
  • CFI: Convenção Fitossanitária Internacional (Tratado da FAO)
  • IT PGRFA: Tratado Internacional sobre os Recursos Fitogenéticos para a Alimentação e a Agricultura
  • NAFTA: Acordo de Comércio Livre Norte-Americano
  • RCEP: Parceria Económica Global Regional
  • TPP: Parceria Trans-Pacífico
  • Convenção UPOV: (Adotada em 1961 em Paris, em vigor em 1968, revista em 1972, 1978 e 1991)

 

📝 Conclusão

Os blocos comerciais permitem a liberalização do comércio, o que conduz ao acesso a novos mercados e à redução dos custos através de uma redução das barreiras. No entanto, existem alguns riscos e concorrência, mas a maior parte destes blocos permite que mais empresas se desenvolvam e ganhem mais quota de mercado.

A criação de uniões aduaneiras é benéfica para as economias a longo prazo. Ajuda as pequenas economias a explorar indústrias que podem não ter sido acessíveis apenas com o comércio interno. Podem realizar grandes economias de escala externas dentro da união a partir dos transportes e das infra-estruturas.

Confrontados com a concorrência de outras economias, os mercados internos estarão mais inclinados a aumentar a eficiência. As uniões aduaneiras ajudam a fomentar o crescimento e a unir as economias com políticas comerciais liberais.
Nas últimas décadas, num contexto de crescente globalização, os processos de integração económica internacional evoluíram significativamente e adquiriram novas características.

O resultado deste processo foi a emergência de uma grande variedade de tipos de blocos comerciais, bem como o reforço das associações de integração, a adesão de Estados ao bloco comercial tem vantagens e desvantagens próprias, que afetam a economia do Estado.

Margarida Reis
Latest posts by Margarida Reis (see all)
Written By
More from Margarida Reis

Os Melhores Sites para Trabalho Remoto [Lista Completa]

Quer Trabalhar Remotamente? Descubra os melhores sites Quer esteja à procura dos...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *