Ordens Arquitectónicas clássicas: A Ordem Toscana

tudo sobre a ordem toscana

Tudo Sobre a Ordem Toscana

A Ordem Toscana foi a mais simples das Ordens Clássicas. Pensa-se que derivou dos templos etruscos e primitivos romanos e que, tal como a Ordem Dórica, refletir a construção em madeira. A distinção mais óbvia entre a Ordem Toscana e as outras ordens é que as colunas nunca são acaneladas, mas são sempre lisas. As colunas possuem capitéis e bases, mas estes são mais simples do que os das outras ordens, e a entablatura é também bastante simples.



As Origens Da Ordem Toscana

A ordem toscana é uma ordem clássica nascida em Roma, é sólida e não tão ornamentada. A influência da ordem dórica é evidente mesmo que apresente colunas não influenciadas e uma simples entablatura e não tenha triglifos. Os romanos não viam este estilo como uma ordem separada e por isso Marcos Vitrúvio não o menciona no seu manuscrito “De architectura”.

Foi classificado como uma ordem formal separada na Renascença italiana.
A ordem toscana é vista, pela sua simplicidade, como uma adaptação romana da ordem Dórica, e nas proporções que seguem os rácios da ordem Dórica. Esta ordem sólida foi utilizada na arquitetura militar, em docas e armazéns, quando eram dignificados pelo tratamento arquitetónico.

 


Diferenças entre a ordem Dórica e a Ordem Toscana

O toscano pode ser usado para fazer uma comparação com a ordem dórica clássica, apresenta elementos menos severos. Provavelmente foram os romanos que o inventaram. Por exemplo, pode ser encontrada uma base no fundo da coluna: é reconhecível pela presença de uma moldagem abaixo do capital e a haste da coluna é frequentemente lisa e sem ranhuras.

A Coluna Toscana é uma adaptação romana do Dórico. A Toscana tem um eixo não influenciado e um simples capital equino-ábaco. É semelhante ao dórico romano em proporção e perfil, mas é muito mais plana. A coluna tem sete diâmetros de altura. Entre todas as ordens, é a mais sólida na aparência.

Ambos os estilos de coluna são simples, sem entalhes ou ornamentos. No entanto, uma coluna toscana é tradicionalmente mais esbelta do que uma coluna dórica. Uma coluna dórica é robusta e geralmente sem uma base. Além disso, o eixo de uma coluna toscana é normalmente liso, enquanto que uma coluna dórica tem normalmente flautas (ranhuras). As colunas toscanas, também conhecidas como colunas toscanas, são por vezes chamadas Dórica Romana, ou Dórica Carpinteira devido às semelhanças.

 


Características de Estilo da Ordem Toscana

Este estilo tem as seguintes características:

  • Conjuntos de veios sobre uma base simples;
  • O eixo é normalmente liso, não canelado (ranhurado);
  • O eixo é esguio, com proporções semelhantes às de uma coluna Jónica grega;
  • Capitais redondos e lisos (topos);
  • Sem entalhes ou outros ornamentos;

 


Elementos e Enriquecimento

Regra geral, a Toscana apresenta menos requinte do que as outras encomendas. Embora existam diferenças superficiais entre a Toscana e a Dórica, um traço frequentemente distintivo são os veios das colunas. As colunas toscanas são sempre lisas ou rústicas, ao passo que as dóricas são tipicamente caneladas. Do mesmo modo, a toscana tende a ter subdivisões menos elementares e tem elementos proporcionalmente mais volumosos no pedestal, base, capital e entabladura. Além disso, um dórico totalmente expresso terá elementos geometricamente ornamentados em todo o friso e enriquecidos ricamente esculpidos nos metopos entre os triglifos. Pelo contrário, o toscano é quase sempre de perfil simples ao longo da sua entablatura. Os modilhões ou parênteses são raramente utilizados na cornija e, se assim for, são muito simplesmente forjados.

Se for aplicado ornamento, este será normalmente esculpido em alto relevo para ser colocado nos tímpanos de uma arcada ou no tímpano do frontão, em contraste notável com o carácter esparso ou mesmo rugoso da fachada. É muito comum encontrar a ordem toscana altamente rústica. Muitas vezes a toscana está apenas implícita no piso térreo pela sua proporção relativa e forte rusticação (sem o uso de colunas) em edifícios onde a alvenaria de freixo e as ordens mais refinadas são utilizadas acima.

Embora a Ordem Toscana seja frequentemente repreendida como sendo uma ordem “inventada” ou apenas uma Dórica despojado, tem realmente um carácter próprio e tem mais consideração e estudo, especialmente porque continua a ser a ordem mais comummente especificada na arquitetura residencial atual.

 


Os Etruscos

A ordem toscana é ostensivamente referencial para a arquitetura do povo etrusco que dominou a península Itálica até que Roma conseguiu finalmente vencê-los no século IV a.C. Os templos apresentaram a expressão máxima do refinamento arquitetónico etrusco. Como os alicerces dos templos foram construídos em pedra, temos uma compreensão muito boa de como foram organizados em planta. A composição exata das elevações é menos clara, embora se possa colher alguma ideia a partir de representações pictóricas como as encontradas na ostraca (cacos decorados), sarcófagos, bem como frescos.

Algumas características tectónicas etruscas eram definitivamente distintas das dos gregos e seriam adotadas pelos romanos para todas as suas ordens arquitetónicas. Enquanto a única cela ou santuário interior de um templo típico grego era rodeado por um estilobato (série de degraus) e colunata peripteral (estando as colunas presentes ao longo de todo o perímetro do edifício), os etruscos levantaram os seus templos sobre um pódio com uma escada que conduzia às entradas de três celas. Nesta entrada só foram utilizadas colunas, colocadas numa fila dupla por baixo de um grande pórtico, enquanto as paredes das celas se estendiam para o exterior. Os elementos de madeira para a entabladura permitiram uma maior intercolunização (espaçamento das colunas) do que era possível para a arquitetura em pedra da Grécia.

No entanto, a ordem toscana, tal como apresentada nos tratados do Renascimento e indiscutivelmente expressa na própria arquitetura romana, não é precisamente etrusca antiga. Além disso, existem certamente pontos comuns entre as ordens renascentista toscana e dórica romana. Então, como se pode fazer uma distinção? Seguem-se três ferramentas, lentes ou perspetivas que podem revelar-se úteis quando usadas em conjunto umas com as outras.

 


Um Sistema de Proporção

Uma característica de todos os tratados renascentistas era que as ordens eram apresentadas como sistemas altamente racionalizados, cuja unidade de medida fundamental derivava do raio ou diametro de base (o módulo) da ordem dada. As elevações da coluna, entablatura, pedestal opcional, etc., bem como a intercolunização foram todas as relações proporcionais derivadas deste módulo base. Enquanto alguns autores se apoiaram fortemente no tratado de arquitetura romana de Vitruvius, outros basearam-se em motivos mais arqueológicos quer no que consideraram um exemplar arquetípico, quer numa média ponderada de vários exemplos. Todos estes autores pareciam temperar tal autoridade desde a antiguidade com o seu próprio julgamento e razão. O que eles geralmente concluíram foi que as ordens progrediam proporcionalmente em atenuação do bastante sólido (se não agachado) Toscano para o relativamente fino Composto.

É certo que, mesmo em teoria, havia uma vasta gama de interpretações disponíveis e, mais ainda, na prática. Os vários autores nem sempre estiveram de acordo. No primeiro grande tratado do Renascimento que contém placas gravadas, Sebastiano Serlio apresenta uma ordem toscana muito acocorada, cujo diâmetro da base para a altura da coluna era de 1:6. Vincenzo Scamozzi e Claude Perrault apresentariam posteriormente encomendas toscanas relativamente esbeltas, com uma relação de 1:7½. Do mesmo modo, observa-se uma grande variedade em proporções de entablaturas e pedestais em relação ao módulo. O que se manteve consistente foi que à medida que as encomendas avançassem, tornar-se-iam proporcionalmente mais atenuadas, sendo a encomenda toscana sempre a mais sólida entre elas.

 


Um Modelo Antropomórfico

Outra forma de imaginar uma ordem arquitetónica é antropomórfica, ou seja, atribuir qualidades humanas a objetos inanimados. O arquiteto romano Marcos Vitrúvio, do século I A.C., fê-lo certamente oferecendo mitos de origem e relacionando a coluna com as proporções humanas para indicar a sua adequação a templos dedicados a um determinado deus ou deusa. A ordem dórica era a de expressar uma masculinidade robusta, refletindo as proporções de um guerreiro ou semideus como Hércules. No outro extremo, sendo o Coríntio consideravelmente esbelto, devia refletir a figura de uma jovem donzela.

Em vez de procurarem precisão anatómica, estes mitos e comparações continuam a servir como auxiliares de memória divertidos e úteis no que respeita ao carácter e às proporções das várias ordens. Os arquitetos do Renascimento, o Barroco, até ao período do Beaux Artes, foram retomando e ampliando estas associações antropomórficas. Que interpretação ficou para o toscano? Rudimentar e tumultuoso, com certeza. A de um Titã, um Atlas que carrega o fardo do edifício literalmente nas suas costas!

 


A Ordem da Toscana Atualmente

Podemos encontrar alguns exemplos importantes de edifícios toscanos:

Santa Maria della Pace (Pietro da Cortona, 1656), em Roma
Santa Maria della Pace (Pietro da Cortona, 1656), em Roma

 

Palazzo Massimo alle Colonne (Baldassarre Peruzzi), em Roma.
Palazzo Massimo alle Colonne (Baldassarre Peruzzi), em Roma.

Também podemos encontrar vários exemplos em Inglaterra:

Covent Garden de Inigo Jones (1633), em St Paul's
Covent Garden de Inigo Jones (1633), em St Paul’s
West Wycombe Park
West Wycombe Park

 

Keppel's Column
Keppel’s Column

 

Referências

      1. James S. Ackerman, “The Tuscan/Rustic Order: A Study in the Metaphorical Language of Architecture”, Journal of the Society of Architectural Historians
      2. The Four Books on Architecture
      3. Yiu, M. (2015). Architectural Involutions: Writing, Staging, and Building Space, c. 1435-1650. (1 ed.). Evanston: Northwestern University Press. muse.jhu.edu/book/57773.
      4. Axel Boëthius, American Journal of Archaeology, Vol. 66, No. 3 (Jul., 1962), pp. 249-254
      5. James S. Ackerman, Journal of the Society of Architectural Historians (1983) 42 (1): 15–34.
      6. A ordem toscana na Lusitânia ocidental: problemática e caracterização do seu emprego: a propósito das peças reutilizadas
        da Igreja de S. Pedro de Lourosa. www.patrimoniocultural.gov.pt
Written By
More from Joao Gracieira

🧘 As Vantagens e Desvantagens das Aulas Online de Yoga

As Vantagens e Desvantagens das Aulas Online de Yoga A Internet de...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *