Ordens Arquitectónicas clássicas: A Ordem Jônica

a ordem jônica

Tudo Sobre: A ordem Jônica

A Ordem Iónica nasceu em Ionia, uma região costeira da Anatólia central, no início do século VI a.C., existiam muitas povoações gregas naquele local. É identificada principalmente pela sua capital, com a sua forma de almofada enrolada de ambos os lados criando as volutas distintivas. Vitrúvio descreve-o como a combinação da severidade da ordem Dórica com a delicadeza do Coríntio. É possível identificar este estilo como algo que nasce combinando elementos dos dois diferentes estilos clássicos nascidos na Grécia.



O que é a Ordem Jónica?

A ordem iónica forma uma das três ordens ou sistemas organizacionais da arquitetura clássica, sendo as outras duas ordens canónicas o dórico e o coríntio. (Há duas ordens menores, a ordem toscana e a variante rica de Corintia, a ordem compósita, acrescentada pela teoria e prática da arquitetura italiana do século XVI).

A Ordem Jónica teve origem em Ionia, uma região costeira da Anatólia central (hoje Turquia) onde se localizavam várias povoações gregas antigas. As Volutas (ornamentos em forma de pergaminho) caracterizam a capital iónica e uma base suporta a coluna, ao contrário da ordem dórica. A ordem iónica desenvolveu-se em Iónia durante meados do século XVI a.C.E. e tinha sido transmitida à Grécia continental no século V a.C.E. Entre os primeiros exemplos da capital Jónica está a coluna votiva inscrita de Naxos, datada do final do século VII a.C.E.

O monumental templo dedicado a Hera na ilha de Samos, construído pelo arquiteto Reco em 570-560 A.C., foi o primeiro dos grandes edifícios Jónicos, embora tenha sido destruído por um terramoto de curta duração. O Templo de Ártemis em Éfeso, uma maravilha do mundo antigo, no século VI a.C.E., foi também um desenho Jônico.

Em Atenas a ordem Jónica influencia alguns elementos do Pártenon (447-432 a.C.E.), nomeadamente o friso iónico que rodeia a cela do templo. As colunas Jônicas também são empregadas no interior da monumental porta da Acrópole conhecida como a Propiléia (c. 437-432 a.C.E.). O Jônico foi promovido a uma ordem exterior na construção do Erechtheion (c. 421-405 A.C.E.) na Acrópole Ateniense.

 


Características de uma Coluna Jônica

As colunas iónicas são fáceis de reconhecer à primeira vista, em parte devido às suas volutas. Uma voluta é o desenho distintivo de uma espiral, como uma concha em espiral, característica do capital Jônico. Esta característica do desenho, por muito imponente e ornamentada que seja, apresentava muitos problemas para os primeiros arquitetos.

A Voluta

Os enfeites curvos que decoram um capital iónico criam um problema estrutural inerente – como pode uma coluna circular acomodar um capital linear? Em resposta, algumas colunas iónicas acabam por ser “de dois lados” com um par de volutas muito largo, enquanto outras espremem em quatro lados ou dois pares mais estreitos no topo do eixo. Alguns arquitetos jónicos consideraram este último desenho preferível pela sua simetria.

Mas como surgiu a voluta? As volutas e a sua origem têm sido descritas de muitas maneiras. Talvez sejam pergaminhos decorativos destinados a simbolizar os desenvolvimentos da comunicação a longa distância da Grécia antiga. Alguns referem-se às volutas como cabelos encaracolados em cima de um eixo esguio ou mesmo de um corno de carneiro, mas estas reflexões pouco fazem para explicar de onde vêm os ornamentos. Outros dizem que o desenho capital de uma Coluna Iónica representa uma característica chave da biologia feminina – os ovários. Com a decoração de ovos e dardos entre as volutas, esta explicação fértil não deve ser rapidamente descartada.

Outras Características

Embora as colunas Jónicas sejam mais facilmente reconhecíveis pelas suas volutas, apresentam outras características únicas que as distinguem também das equivalentes dóricas e coríntias.

Estas incluem:

  • Uma base de discos empilhados
  • Eixos que são normalmente acanelados
  • Eixos que podem ser queimados tanto na parte superior como na inferior
  • Desenhos de ovo e de dardo entre as volutas
  • Capitais relativamente planos. Vitrúvio disse uma vez que “a altura do capital iónico é apenas um terço da espessura da coluna”.

 


História da Coluna Jónica

Embora a inspiração por detrás do estilo iónico seja desconhecida, as suas origens estão bem gravadas. O desenho teve origem na Iónia do século VI a.C., uma região oriental da Grécia Antiga. Esta zona não é hoje referida como Mar Jónico, mas faz parte do Mar Egeu, a leste do continente onde os Dorienses viviam. Os Jonianos migraram do continente em cerca de 1200 a.C.

O desenho iónico teve origem por volta de 565 a.C., nos gregos jónicos, uma antiga tribo que falava o dialeto jónico e vivia em cidades em torno de uma área agora chamada Turquia. Dois primeiros exemplos de colunas iónicas ainda se encontram na Turquia atual: o Templo de Hera em Samos (c. 565 a.C.) e o Templo de Ártemis em Éfeso (c. 325 a.C.). Estas duas cidades são frequentemente pontos de destino dos cruzeiros mediterrânicos para a Grécia e a Turquia devido ao seu esplendor arquitetónico e cultural.

Duzentos anos após o seu início isolado, foram construídas colunas iónicas no continente da Grécia. A Propiléia (c. 435 a.C.), o Templo de Athena Nike (c. 425 a.C.) e o Erechtheum (c. 405 a.C.) são primeiros exemplos de colunas iónicas em Atenas.

 


Arquitetos de Jónia

Foram vários os principais arquitetos jónicos que contribuíram para o sucesso do estilo jónio. Priene, uma cidade jónica da Grécia Antiga situada na costa ocidental do que é hoje a Turquia, foi o lar do filósofo Bias e de outros importantes designers jónicos, como por exemplo:

Pytheos (c. 350 a.C.): Vitruvius uma vez chamou Píteos de “o célebre construtor do templo de Minerva”. Conhecido hoje como um santuário da deusa grega Atena, o Templo de Atena Polias, juntamente com o Mausoléu de Halikarnassos, foi construído por Píteos na Ordem Iónica.
Hermógenes (c. 200 a.C.): Como Píteos, Hermógenes de Priene defendia a simetria do Jônico sobre o Dórico. As suas obras mais famosas incluem o Templo de Artemis em Magnesia no Maeander – ainda mais grandioso que o Templo de Artemis em Éfeso – e o Templo de Dionysos na cidade jônica de Teos.

 


Edifícios com Colunas Jónicas

A arquitetura ocidental está repleta de exemplos de colunas iónicas. Este estilo de colunas pode ser encontrado em alguns dos edifícios mais prestigiados e históricos do mundo, tais como os seguintes exemplos:

O Coliseu de Roma: O Coliseu destaca uma mistura de estilos arquitetónicos. Construído em 80 d.C., este edifício apresenta colunas dóricas no primeiro nível, colunas iónicas no segundo nível, e colunas coríntias no terceiro nível.
Basílica Palladiana: O Renascimento Europeu dos anos 1400 e 1500 foi um período de reavivamento clássico, o que explica porque uma arquitectura como a Basílica Palladiana pode ser vista com colunas iónicas no nível superior e colunas dóricas no nível inferior.
Memorial de Jefferson: Nos Estados Unidos, a arquitetura neoclássica em Washington, D.C. exibe colunas iónicas, sobretudo no Jefferson Memorial.
Departamento do Tesouro dos Estados Unidos: O U.S. Treasury Building, após as suas duas primeiras iterações terem sido destruídas por fogos separados, foi reconstruído no edifício que ainda se encontra de pé em 1869. As fachadas das asas a Norte, Sul e Oeste apresentam colunas iónicas de 36 pés de altura.
O Templo de Hera, em Samos, foi o primeiro dos maiores templos jônicos. Foi construído pelo arquiteto Reco entre 570 e 560 a.C., mas só durante uma década por causa de um terramoto.
O Templo de Ártemis em Éfeso foi um templo iônico do século VI e foi uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo. O Pártenon, embora se ajuste principalmente à ordem dórica, também tem alguns elementos Jónicos.
O Erechtheum e o Templo de Atena são também exemplos do modo Jónico puro. Ambos se situam na Acrópole de Atenas.

 


Como Distinguir um Edifício Jónico

Dependendo do local e da época em que o único edifício foi construído, podemos encontrar diferentes formas da ordem iónica. A chamada “base do sótão” é a mais conhecida e mais comum. É a forma como os romanos costumavam chamar esta forma de moldar colunas, no topo e na base havia dois toros, divididos por uma escócia (moldagem de conclave oco).

Estas são as principais características do estilo Jónico:

  • O eixo da coluna é colocado sobre a base e tem ranhuras num bordo arredondado.
  • O capital é composto por duas volutas em forma de espiral, em que os óvulos e as flechas se alternam.
  • O ábaco acima do capital é achatado e o equino é pequeno.
  • Acima da capital, é possível encontrar uma entablatura. É composto por uma arquitrave tripartida, com três placas sobrepostas, cada uma mais alta e mais proeminente do que a que se encontra por baixo.
  • O friso repousa sobre ele, e muitas vezes tem representações pintadas, desenvolvidas ao longo de todo o perímetro do templo, que normalmente criam uma longa narração.

 


A Ordem Jónica Como Sistema de Proporção

Outra forma de pensar sobre a Ordem Jónica é como um sistema de proporcionalidade. Já vimos Vitrúvio descrever a relação proporcional da coluna iónica grega como, “cuja espessura era apenas um oitavo da sua altura”. Curiosamente, Vitrúvio afasta-se disto, promovendo pessoalmente uma versão ainda mais atenuada, com uma relação de 1:9.

Uma característica de todos os tratados renascentistas que se seguiram foi continuar a apresentar as Ordens como sistemas altamente racionalizados, cuja unidade fundamental de medida derivava do raio ou diâmetro da base (o módulo) da coluna dada. As elevações da coluna, entablatura, pedestal opcional, etc., bem como a intercolunização foram todas relações proporcionais derivadas deste módulo base.

O teórico arquitectónico italiano Giacomo da Vignola apoiava-se fortemente no tratado de arquitetura romana de Vitruvius, mantendo a sua relação 1:9, diâmetro base:altura. Outros extraíram a sua justificação por motivos mais arqueológicos quer do que consideravam um exemplar arquetípico, quer de uma média ponderada de vários exemplos. Como o território da Grécia Antiga foi ocupado pelos turcos otomanos durante a Renascença, os teóricos ficaram apenas com exemplos romanos a extrair. O que eles geralmente concluíram foi que as ordens progrediam proporcionalmente em atenuação desde o bastante sólido Toscano até ao relativamente estreito Composto com o Jônico bem no meio.

 


As Ordens Gregas de Arquitetura

Ao estudar uma linha temporal era-por-era da Grécia antiga, o auge da civilização grega era conhecido como Grécia Clássica, a partir de cerca de 500 a.C. Os inventivos gregos da antiguidade desenvolveram três ordens arquitetónicas usando três estilos de colunas distintos. A mais antiga coluna de pedra conhecida é da ordem dórica, nome dado à arquitetura vista pela primeira vez na região dórica da Grécia Ocidental. Para não serem ultrapassados, os construtores da zona oriental da Grécia de Iónia desenvolveram o seu próprio estilo de coluna, que é conhecido como a ordem iónica.

As ordens clássicas não são exclusivas de cada área, mas foram nomeadas para a parte da Grécia onde foram observadas pela primeira vez. A ordem mais ornamentada da Grécia, a mais recente desenvolvida e talvez a mais conhecida pelo observador atual é a ordem coríntia, vista pela primeira vez na zona central da Grécia, chamada Corinto.

Ordens Romanas de Arquitetura

A arquitetura clássica da Grécia antiga influenciou os projetos de construção do Império Romano. As ordens gregas de arquitetura continuaram na arquitetura italiana, e os arquitetos romanos também acrescentaram as suas próprias variações, imitando dois estilos de colunas gregas. A ordem toscana, vista pela primeira vez na região toscana da Itália, caracteriza-se pela sua grande simplicidade – ainda mais racionalizada do que a greciana Doric. A capital e o eixo da ordem compósita da arquitetura romana pode ser facilmente confundida com a coluna grega Corinthean, mas a entablatura superior é muito diferente.

Os romanos adotaram todas as ordens de arquitetura gregas e também desenvolveram duas ordens próprias, basicamente modificações das ordens gregas. Os romanos também inventaram a ordem sobreposta. Uma ordem sobreposta é quando os andares sucessivos de um edifício têm ordens diferentes. As ordens mais pesadas estavam em baixo, enquanto as mais leves vinham em cima. Isto significa que a ordem dórica era a ordem do rés do chão, a ordem iónica era usada para o conto do meio, enquanto a ordem coríntia era usada para o conto do topo.
A ordem toscana tem um design muito plano, com um eixo liso, e um simples capital, base, e friso. É uma adaptação simplificada da ordem dórica pelos romanos.

A ordem toscana é caracterizada por um eixo não influenciado e um capital que consiste apenas em um equinus e um ábaco. Em proporções semelhantes às da ordem dórica, mas, em geral é significativamente mais plana. A coluna tem normalmente sete diâmetros de altura. Em comparação com as outras ordens, a ordem toscana parece ser a mais sólida.

A ordem compósita é uma ordem mista, combinando as volutas do iónico com as folhas da ordem coríntia. Até à Renascença não era classificada como uma ordem separada. Em vez disso, era considerada como uma forma romana tardia da ordem Coríntia. A coluna da ordem compósita tem dez diâmetros de altura.

 

🏠 As 3 Ordens de Arquitetura

Desde o início do primeiro milénio a.C., a história da arquitetura grega pode ser resumida na história do templo, até à construção e decoração de que todas as artes tinham concordado. Para descobrir quando e como os templos dos gregos diferem, deve-se voltar ao Megaron pré-histórico. Há, de facto, uma semelhança impressionante entre o Megaron micénico e o primeiro Templo grego. Ambos são compostos por um salão retangular oblongo dividido por uma parede transversal em dois compartimentos, o Prodomos ou Vestíbulo, em frente, e a Receção ou Santuário, atrás. Existem três sistemas de arquitetura, conhecidos como ordens, o Dorico, o Iónico e o Coríntio, sendo o último uma variação do Iónico, diferindo apenas na forma da capital.

A Ordem Dórica

A ordem dórica teve origem no continente e na Grécia Ocidental. É a mais simples das ordens, caracterizada por colunas curtas, facetadas, pesadas, com capitéis lisos, redondos (topos) e sem base.

Com uma altura que é apenas quatro a oito vezes o seu diâmetro, as colunas são a mais agachada de todas as ordens. O eixo da ordem dórica é canalizado com 20 flautas. O capitel é constituído por um pescoço que é de uma forma simples. O equinus é convexo e o ábaco é quadrado. Acima do capital há um ábaco quadrado que liga o capital à entablatura. A entablatura é dividida em três registos horizontais, cuja parte inferior é lisa ou dividida por linhas horizontais.

A metade superior é típica da ordem dórica. O friso da entabladura dórica está dividido em triglifos (uma unidade composta por três bandas verticais separadas por sulcos) e métopas (os relevos entre dois triglifos).

As formas gregas da ordem dórica vêm sem uma base individual. Em vez disso, são colocadas diretamente sobre o stylobate. As formas posteriores, porém, vêm com a base convencional constituída por um plinto e um toro. As versões romanas da ordem dórica têm proporções menores. Como resultado, elas parecem mais leves do que as ordens gregas.

A Ordem Jónica

A ordem iónica veio da Grécia Oriental, onde as suas origens se confundem com a ordem eólica semelhante, mas menos conhecida. Distingue-se por pilares esguios e afunilados com uma grande base e duas volutas opostas (também chamadas volutas) no equinus da capital. O próprio echinus é decorado com um motivo de ovo e flecha. A haste iónica vem com mais quatro flautas do que a contrapartida dórica (num total de 24). A base iónica tem duas molduras convexas chamadas tori que são separadas por uma escócia.

A ordem iónica é também marcada por um entasis, um afunilamento curvo no eixo da coluna. Uma coluna da ordem iónica tem nove vezes o seu diâmetro inferior. O eixo em si, é de oito diâmetros de altura. A arquitrave da entablatura consiste geralmente em três bandas escalonadas (fasciae). O friso vem sem o triglifo dórico e metopo. O friso vem por vezes com um ornamento contínuo, como figuras esculpidas.

A Ordem Coríntia

A ordem coríntia é a mais ornamentada das ordens gregas, caracterizada por uma coluna esguia com um capitel ornamentado com duas filas de folhas de acanto e quatro volutas. É geralmente considerada como a mais elegante das três ordens. A haste da ordem coríntia tem 24 flautas. A coluna tem normalmente dez diâmetros de altura.

O escritor romano Vitrúvio, creditou a invenção da ordem coríntia a Callimachus, um escultor grego do século V a.C. O mais antigo edifício conhecido construído de acordo com esta ordem é o Monumento Corágico de Lisicrates, em Atenas, construído de 335 a 334 a.C. A ordem coríntia foi elevada à categoria pelos escritos de Vitrúvio, no século I a.C.


 

Elementos e Enriquecimento

Embora não seja tipicamente tão ornamentado como o Coríntio ou o Compósito, a Ordem Jónica não é tão esparsa. A cornija projetante da entablatura da cornija é normalmente embora não universalmente denticulada, ou seja, suportada por uma fila de blocos dentários que funcionam como uma alusão às caudas das vigas na construção em madeira. O friso é muitas vezes ornamentado e ocasionalmente pulvinado ou dado uma forma convexa.

As capitais têm tipicamente uma fila de ovos e dardos, bem como madressilva que emana das volutas, embora existam exceções para cada regra, sendo possíveis e potencialmente bastante interessantes variações radicais. Naturalmente, a característica mais identificadora da Ordem são as grandes volutas em espiral das maiúsculas das colunas. Existem muitos métodos para a colocação destas espirais, embora dois figurem de forma proeminente no Renascimento e em tratados posteriores. Além disso, os pequenos pormenores relativos à largura dos filetes, à profundidade dos canais, à mola e ao alinhamento da espiral fazem com que a variedade seja quase infinita.


 

🎥 Se tiver mais interesse acerca das Ordens Clássicas Arquitectónicas, o video abaixo descreve em profundidade cada uma, juntamente com as suas características.


 

Referências

  1. Pollio, Marcus Vitruvius. “Books I and IV.” The Ten Books on Architecture, translated by Morris Hickey Morgan, Dover Publications, 1960.
  2. Turner, Jane, editor. “Architectural Orders.” The Dictionary of Art, vol. 23, Grove, 1996, pp. 477–494.
  3. Adam, Robert. Classical architecture: a comprehensive handbook to the tradition of classical style. New York: Abrams,
    1991. Print.
  4. Chitham, Robert. The classical orders of architecture. New York: Rizzoli, 2005. Print.
  5. Curl, James Stevens. Classical architecture: an introduction to its vocabulary and essentials, with a select glossary of terms.
    London: Batsford, 2001. Print.
  6. W. B. Dinsmoor, The Architecture of Greece: an Account of its Historic Development 3rd ed. (London: Batsford, 1950).
  7. Marie-Christine Hellmann, L’architecture Grecque 3 vol. (Paris: Picard, 2002-2010).
  8. J. Rykwert, The Dancing Column: On Order in Architecture (Cambridge, Mass.: MIT Press, 1996).
  9. B. A. Barletta, The Origins of the Greek Architectural Orders (Cambridge: Cambridge University Press, 2001).
  10. H. Berve, G. Gruben and M. Hirmer, Greek temples, theatres, and shrines (New York: H. N. Abrams, 1963).
Written By
More from Joao Gracieira

🧘 As Vantagens e Desvantagens das Aulas Online de Yoga

As Vantagens e Desvantagens das Aulas Online de Yoga A Internet de...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *